Ulisses Correia e Silva fez um balanço positivo à comunicação social junto ao expositor de Cabo Verde, o único país africano que se apresentou ao longo dos três dias da conferência que termina hoje.

"Nós estamos no maior evento tecnológico do mundo, e é bom que Cabo Verde esteja representado através dos seus talentos", acrescentou o chefe do Governo do arquipélago lusófono, sobre uma iniciativa que custou "mais de 100 mil euros" aos cofres do país.

Ainda assim, Ulisses Correia e Silva diz não ter dúvidas que "o retorno será bom para o país, enquanto país, e também para os nossos jovens".

Ulisses Correia e Silva destacou que a participação "faz parte de um investimento ainda maior", acrescentando que Cabo Verde precisa "destes palcos" e que complementa iniciativas como a construção de dois parques tecnológicos - na Praia e em São Vicente - e de infraestruturas de telecomunicações.

Na visita ao expositor, o governante de Cabo Verde encontrou-se com os representantes de dez 'start-ups' cabo-verdianas que estiveram no evento após vencerem um concurso a nível nacional.

O balanço positivo da participação cabo-verdiana na Web Summit foi corroborado pelo diretor-geral das Telecomunicações e Economia Digital, Aruna Handem.

Em declarações à Lusa, o responsável considerou que as expectativas "foram superadas".

Aruna Handem afirmou que a participação na Web Summit permite "viver e aprender o que está a ser feito" noutros países.

O diretor-geral da instituição integrada no Ministério das Finanças de Cabo Verde considera que a aposta na tecnologia pretende fazer desta uma bandeira, à semelhança do turismo.

A Web Summit termina hoje no Altice Arena e na Feira Internacional de Lisboa (FIL), com a organização a estimar mais de 70 mil participantes naquela que é a quarta edição de 13 previstas em Lisboa.

Fundada em 2010 por Paddy Cosgrave, Daire Hickey e David Kelly, a Web Summit é considerada um dos maiores eventos de tecnologia, inovação e empreendedorismo do mundo e evoluiu em menos de seis anos de uma equipa de apenas três pessoas para uma empresa com mais de 150 colaboradores.

A cimeira tecnológica, que nasceu na Irlanda, passou a realizar-se em Lisboa desde 2016, e vai manter-se na capital portuguesa até 2028, depois de, em novembro do ano passado, ter ficado decidida a permanência em Portugal por mais 10 anos, após uma candidatura com sucesso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.