O vice-ministro do Trabalho e Emprego de Moçambique reiterou ontem, 18,  que o seu país quer beber da experiência de Cabo Verde a nível da inclusão digital para levar a internet à população rural.

As informações foram a avançadas  por Oswaldo Petersburgo, ontem na cidade da Praia, após ser recebido em audiência pela primeira-dama, Lígia Fonseca , com quem passou m revista a situação atual de Cabo Verde e de Moçambique.

O vice-ministro adiantou que durante o encontro tiveram a oportunidade de falar sobre o setor da formação profissional, nomeadamente serralheiro, eletricista, pedreiros, formação na área e recursos humanos, culinária, sendo que são áreas, segundo disse, ” bem estruturantes” nas quais Moçambique pretende trocar experiencias com o arquipélago.

Segundo Oswaldo Petersburgo, três a cinco milhões de moçambicanos têm acesso à Internet através de um computador e muito menos através do telemóvel, ou seja, menos de 50 por cento (%) da população, que no seu entender é muito pouco e para aumentar e alargar esse serviço, sobretudo à população rural, querem o apoio de Cabo Verde.

“A nossa ideia é trocar experiência numa parceria win win, onde os dois países podem mostrar o que tem de melhor a nível de formação de formadores, permitindo assim troca de formadores nas áreas específicas de formação profissional”, sublinhou.

Oswaldo Petersburgo, que se encontra em Cabo Verde no âmbito do IV Fórum Mundial de Desenvolvimento Local, que decorre na Cidade da Praia, de 17 a 20 deste mês, revelou que no meio rural é onde se concentra a maior parte da população africana e que mais precisa de infraestruturas e um olhar na perspetiva de desenvolvimento local.

SAPO c/ Inforpress