Embora os Estados Unidos tenham colocado a Huawei na lista negra em maio, a verdade é que com a renovação de licenças algumas empresas americanas podem continuar a negociar com a fabricante chinesa até fevereiro de 2020. Mas há quem diga que um dos primeiros smartphones depois do bloqueio dos EUA, o Huawei Mate 30, já "antecipou" um futuro sem essa possibilidade, não contendo qualquer componente norte-americano.

A notícia foi avançada pelo Wall Street Journal, que cita uma análise da UBS e da Fomalhaut Techno Solutions, um laboratório japonês que "inspeciona" o interior de dispositivos. Segundo o relatório, a Huawei conseguiu encontrar fornecedores não americanos para vários componentes críticos.

No caso dos amplificadores de som, a fabricante chinesa terá recorrido à NXP, empresa holandesa, em vez da Cirrus Logic, e confiou à sua própria divisão HiSilicon o desenvolvimento de chips para Wi-Fi e Bluetooth, em vez da Broadcom. Além disso, utilizou também componentes da japonesa Murata e da chinesa MediaTek para outras partes anteriormente fornecidas por fabricantes norte-americanos.

Ao jornal, um porta-voz da Huawei garantiu que a fabricante chinesa tem uma "preferência clara de continuar a integrar componentes de parceiros norte-americanos". Mas, "se isso não for possível devido às decisões do governo dos EUA, não teremos outra opção a não ser encontrar fornecedores alternativos e de outros países".

De acordo com o Tech Insights, o mesmo não se verifica no caso do Mate 30 Pro 5G que recorre a componentes da Qualcomm e do Texas Instruments.

Algo garantido é a vontade da Microsoft continuar a negociar com a fabricante chinesa, que viu o seu pedido de licença aceite. Depois de os Estados Unidos alargarem em mais 90 dias a suspensão de bloqueio à fabricante chinesa e do Departamento do Comércio, a gigante tecnológica ficou possibilitada de "exportar software de consumo para a Huawei".

O Huawei Mate 30 e o Huawei Mate 30 Pro foram apresentados em setembro e sem Google Mobile Services, num evento onde a fabricante chinesa deu a conhecer várias novidades. Para já aguarda-se a chegada dos modelos a Portugal.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.