A cidade de Hangzhou, no leste do país, foi uma das primeiras na China a adotar este tipo de sistema de deteção, que fornece um código verde, laranja ou vermelho, autorizando ou não o utilizador a aceder a restaurantes, transportes ou espaços públicos, e que entretanto se generalizou a todo o país.

A cidade, que é sede de algumas das maiores empresas do setor tecnológico no país, planeia agora criar uma aplicação que classifica os seus 10 milhões de cidadãos em tempo real, numa espécie de "nota para a saúde", entre 0 e 100 pontos, segundo informação difundida pelos serviços de saúde locais.

A nota pode ser atualizada diariamente, dependendo das atividades de cada utilizador.

Por exemplo, beber um copo de ‘baijui' - aguardente chinesa - pode resultar numa perda de 1,5 pontos, enquanto dormir sete horas por noite permite ganhar um. Cinco cigarros por dia descontam três pontos.

As autoridades não explicam como a aplicação determina o comportamento do utilizador e o que o governo faria com as informações registadas, avançando apenas que o sistema entrará em vigor no próximo mês.

A liderança em redes de quinta geração, reconhecimento facial, Inteligência Artificial ou 'big data' [análise de dados em massa] colocou a China na vanguarda da transformação digital, permitindo a criação de cidades inteligentes, sistemas de mobilidade compartilhada ou o desaparecimento do dinheiro físico.

Cerca de 200 milhões de câmaras de vigilância foram, nos últimos anos, instaladas nas principais cidades do país, segundo dados oficiais. Muitas estão dotadas de reconhecimento facial, que é cada vez mais complementado com a instalação nas ruas, bairros ou acesso a edifícios residenciais, de coletores de números internacionais do subscritor móvel (IMSI, na sigla em inglês) e os números de série eletrónicos (ESM) dos telemóveis - cada dispositivo tem os seus próprios números -, permitindo associar o rosto ao telemóvel de quem vai passando.

"As pessoas passam e deixam uma sombra; o telefone passa e deixa um número. O sistema conecta os dois", lê-se numa brochura de uma empresa chinesa que desenvolve aquele tipo de sistema de vigilância para esquadras de polícia locais.

O dinheiro físico praticamente desapareceu no país, à medida que as carteiras digitas do Wechat ou Alipay se popularizam, permitindo fazer transferências ou compras através de um código QR atribuído a cada utilizador.

"Os serviços municipais de saúde devem aproveitar esta oportunidade (...) para alcançar totalmente os seus objetivos", apontou um membro do comité de saúde da cidade, Sun Yongrong, no comunicado.

As aplicações desenvolvidas pelos gigantes da tecnologia Alibaba e Tencent ocupam já um lugar central na vida dos chineses, agora sujeitos a um sistema de "crédito social" que pode, por exemplo, proibir alguém de embarcar num avião ou fazer reservas num quarto de hotel, caso tenha dívidas ao fisco ou outras situações irregulares.

Com a epidemia, os dois gigantes da Internet criaram aplicações que registam informações pessoais, a localização do utilizador ou os meios de transporte que utilizaram. O uso destas aplicações é obrigatório para aceder a restaurantes, centros comerciais ou espaços públicos.

Em Pequim, por exemplo, é essencial que a aplicação dê verde para entrar em determinados edifícios de escritórios ou centros comerciais. Quem tenha viajado para fora da capital nas duas semanas anteriores passa a estar interdito.

Tom Van Dillen, gestor na capital chinesa da consultora Greenkern, explicou à agência Lusa a rápida implementação destas novas tecnologias no país asiático: "Quanto mais privacidade estás disposto a perder, mais conveniente a tua vida se torna".

"O que realmente me impressiona é que, a necessidade por conveniência tornou-se uma parte tão elementar de como as pessoas entendem a liberdade, que estão dispostas a sacrificar a sua própria privacidade", apontou.

O projeto para a criação de uma aplicação que classifica o estado de saúde do utilizador mereceu, no entanto, comentários negativos nas redes sociais do país

"Por que carga de água é que os meus hábitos de fumar, beber ou dormir têm a ver com os outros", questionou um internauta no Weibo, o equ

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.