Cabo Verde e Senegal vão ser centros estratégicos de referência em censos com coleta eletrónica de dados no continente africano, assegurou hoje na Cidade da Praia, a coordenadora do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

   
A garantia foi dada por Cíntia Damaceno, durante a cerimónia de abertura de uma ação de capacitação para técnicos do Instituto Nacional de Estatística (INE) de Cabo Verde e da Agência Nacional de Demografia e Estatística do Senegal (ANSD), no âmbito do projeto “Centros de referência em censos com coleta eletrónica de dados em África”.

Segundo explicou, o encontro vai servir para os países trocarem conhecimentos através dos processos de coleta eletrónica e censos por meio de uso de dispositivos móveis, que elevam o padrão e utilizam o tempo de coleta, assim como aumentar as possibilidades de acompanhamento, supervisão além da disseminação dos dados.

“É uma oportunidade também para aprendemos a fazer novas formas de cooperação sul-sul com a consolidação desses institutos, do INE e ANSD, como centros estratégicos de referência para outros países africanos”, sublinhou realçando que a ideia é ter uma rede de conhecimento com algo importante e movimentos próprios onde serão colocadas em prática as adaptações necessárias e as realidades de cada país parceiro.

Para Cíntia Damaceno, o desafio passa pela necessidade de obter dados estatísticos de boa qualidade para atendimento das necessidades das políticas públicas nacionais, para as agendas regionais e internacionais e apresentar o caminho de como fortalecer suas capacidades de produção estatística através da mudança de um patamar tecnológico.

Por seu turno, o presidente do INE, Osvaldo Borges, considerou o projeto de criação de centro de “extrema importância” para a realização dos censos uma vez que irá contribuir para partilha de experiências entre os países sobre a sua implementação, processos técnicos, metodologias e operacionais, bem como a recolha eletrónica de dados.

Acrescentou que o projeto irá fortalecer cada vez mais as capacidades institucionais como multiplicadores de conhecimentos e de boas práticas junto de outras instituições dos países africanos.

“Cabo Verde vai realizar o Censo 2020, e, a partir de Janeiro do próximo ano, irá começar a trabalhar na construção do gabinete, e neste contexto passaremos a ter técnicos mais bem preparados e com procedimentos melhor consolidados para enfrentarem o enorme desafio”, reconheceu, realçando que a finalidade é que este censo seja uma operação de referência a nível mundial e possa produzir mais e melhores indicadores para as agendas nacionais, regionais e internacionais.

Enquadrada no projeto “Centro de Excelência em Coleta Eletrónica de Dados” a formação que conta com a participação de técnicos cabo-verdianos e senegaleses, terá a duração de duas semanas.

O projeto surgiu no âmbito da cooperação sul-sul trilateral com o Brasil, através da Agência Brasileira de Cooperação (ABC), e o Fundo das Nações Unidas para a População (FNUAP), e tem por objetivo capacitar os institutos de Cabo Verde e do Senegal na utilização de tecnologias de coleta de dados baseada na experiência do IBGE.

SAPO c Inforpress