Cientistas descobriram na Austrália o que disseram ser a cratera de asteroide mais antiga do mundo — que poderia explicar, segundo eles, o fim de uma das eras glaciais.

O asteroide atingiu a região de Yarrabubba, na Austrália Ocidental, há cerca de 2,2 bilhões de anos, o que faz com que a cratera tenha cerca da metade da idade da Terra.

Os pesquisadores da Universidade Curtin, na Austrália, chegaram à essa conclusão a partir da análise de minerais encontrados nas rochas do local.

E consideram a descoberta, publicada nesta quarta-feira na revista científica Nature Communications, animadora — uma vez que pode representar um evento de aquecimento no planeta naquele período.

Como eles dataram a cratera?

A cratera foi descoberta em 1979 no interior desértico do país (o chamado outback), mas os geólogos ainda não haviam analisado quantos anos ela tinha.

Devido a bilhões de anos de erosão, a cratera não é visível a olho nu. Os cientistas mapearam cicatrizes no campo magnético da região para determinar seus 70 km de diâmetro.

“A paisagem é, na verdade, muito plana porque é muito antiga, mas as rochas são distintas”, diz o pesquisador Chris Kirkland à BBC.

Para determinar quando o asteroide atingiu a Terra, a equipe analisou pequenos cristais de zircão e monazita nas rochas.

Esses cristais contêm pequenas quantidades de urânio. Como o urânio se decompõe em chumbo em um ritmo constante, os pesquisadores conseguiram calcular quanto tempo havia se passado.

Cristal de zircão usado para datar o impacto do asteroide — a margem (rosa) recristalizou durante o impacto, deixando o núcleo interno (azul) intacto
Cristal de zircão usado para datar o impacto do asteroide créditos: CURTIN UNIVERSITY

É pelo menos 200 milhões de anos mais antiga que a estrutura de impacto mais remota que se tinha conhecimento até agora — a cratera Vredefort Dome, na África do Sul.

“Estávamos interessados ​​na região porque a paisagem da Austrália Ocidental é muito antiga, mas não esperávamos que [a cratera] fosse tão antiga assim”, diz Kirkland.

“É totalmente possível que exista uma cratera mais antiga ainda à espera de ser descoberta, mas o desafio está em encontrar a crosta antes que ela corroa e você perca a história do início da Terra.”

Pode ter sido o fim de uma das Eras do Gelo ?

De acordo com os pesquisadores, o momento do impacto também pode explicar por que o mundo esquentou naquela época.

Os cientistas acreditam que o planeta passava por uma das Eras do Gelo, conhecidas como “Terra Bola de Neve” (Snowball Earth, em inglês), quando a superfície da Terra estava coberta de gelo. Em algum momento, essas camadas de gelo derreteram, e o planeta começou a esquentar rapidamente.

“A idade da [cratera] corresponde exatamente ao final de uma potencial era glacial global”, explica Kirkland.

“Portanto, o impacto [do asteroide] pode ter promovido mudanças significativas no clima planetário.”

Por meio da modelagem computacional, a equipe calculou que o asteroide atingiu uma camada de gelo com quilômetros de espessura que cobria a Terra. O evento teria liberado grandes volumes de vapor d’água, um dos gases do efeito estufa, na atmosfera.

Isso poderia ter contribuído para o aquecimento do planeta durante a Era Proterozoica — quando o oxigênio tinha acabado de aparecer na atmosfera, e a vida complexa ainda não havia se formado.

Vista da cratera de Yarrabubba
Vista da cratera de Yarrabubba créditos: TIMMONS ERICKSON

“Obviamente, estávamos muito entusiasmados apenas com a idade em si”, diz Kirkland. “Mas colocar isso dentro do contexto de outros eventos da Terra faz com que [a descoberta] se torne realmente muito interessante.”

Não há modelagem suficiente da época para testar exaustivamente a teoria, mas “as rochas contam uma história sobre seu enorme impacto no planeta”.

Outra teoria para o aquecimento do planeta é que erupções vulcânicas podem ter liberado dióxido de carbono na atmosfera.


Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

https://www.youtube.com/watch?v=be_Egi4yoyk

https://www.youtube.com/watch?v=VpQLxG8GgOY

https://www.youtube.com/watch?v=34azdCdS5fg

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.
Os textos do parceiro BBC News estão escritos total ou parcialmente em português do Brasil.