‘DEUGDEUG65’é uma marca de produtos artesanais confecionados no Bairro de Achada Grande Frente, na cidade da Praia, que tem como um dos objetivos criar um intercâmbio cultural entre Cabo Verde e Senegal. O lançamento da marca aconteceu no dia 22, sexta-feira, no Palácio da Cultura Ildo Lobo, no Plateau.

Segundo Mariangela Fornuto, coordenadora do projeto Xalabas, um dos promotores desta iniciativa, a marca “DEUGDEUG65” surge a partir de uma expressão em Wolof do Senegal, que significa ‘verdade, verdadeiro e autêntico’.

O projecto original surgiu no bairro de Kolobane de Dakar, capital do Senegal, que é considerado tradicionalmente como um bairro pobre e perigoso da cidade e onde existe um mercado amplo de tecidos da África Ocidental.

A ideia de criar esta marca de produtos que liga vários países do mundo, como Cabo Verde, Guiné-Bissau, Etiópia e Portugal, tem como objetivo principal criar uma colaboração cultural entre Cabo Verde e Senegal.

“Esta exposição é fruto de um trabalho que é feito à base de reciclagem, onde nada é desperdiçado desde os pedaços de tecido, sacos de arroz e de café, que vão sendo aproveitados transformando-os em algo útil e encantador. Foi um trabalho de voluntariado, um ‘djuntamon’, que foi feito para marcar as raízes africanas e chamar atenção das pessoas e das comunidades”, declarou Mariangela Fornuto.

“DEUGDEUG65 é uma marca importante para a associação “Pilourinhu”. Representa a verdade e o seguir sempre em frente. Esta iniciativa surgiu em parceria com o projeto “África 70” do Xalabas, onde foram feitas e doadas 65 mochilas a crianças da comunidade de Achada Grande Frente em homenagem à primeira escola experimental por Amílcar Cabral, na Guiné Conacri”, avança o vice-presidente da Associação “Pilourinhu”, Zanildo Pereira.

A associação “Pilourinhu”, do bairro de Achada Grande Frente, decidiu convidar costureiros para se juntar à iniciativa e avançar com a marca, DEUGDEUG65 (em que o número é uma alusão ao projeto citado anteriormente), explica a mesma fonte.

Este projeto contou com a participação do costureiro senegalês Babakar Faye que abraçou a causa.

“DEUGDEUG65 é uma marca importante. Significa a verdade e onde há verdade o meu coração estará sempre presente para dar o meu contributo e demonstrar o amor ao próximo, porque Cabo Verde e Senegal são dois países próximos um do outro”, adianta Babarkar Faye, costureiro senegalês da associação “Pilourinhu”.

O mesmo sentimento é partilhado pela costureira do atelier de costura da associação “Pilourinhu”, a cabo-verdiana Helga Lorena Mendes Rodrigues, que agradece a associação e a Deus pela oportunidade de aprender a costurar.

“Faço com muito amor e dedicação. Trabalhamos à base de reciclagem com pedaços de tecidos ‘txapa txapa’, sacos de arroz e de café, materiais que de lixo transformamos em luxo, tentando fazer coisas lindas e deslumbrantes desde mochilas, brincos, camisas, calças, vestidos e entre outros”.

A exposição ficará patente até este sábado, 23 de novembro, no Palácio da Cultura Ildo Lobo, no Plateau, cidade Praia. Depois do evento, os produtos vão estar disponíveis para venda no bairro de Achada Grande Frente e através das redes sociais.

Edna da Veiga/Estagiária

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.