Esta forma de pensar é que serve de mote, segundo o responsável, para a segunda fase da formação nacional em “Metodologia de investigação criminal – técnicas e procedimentos de investigação criminal”, que se realiza, no Mindelo, até sexta-feira, 13

“O crime evoluiu a cada segundo e é exigido dos sujeitos da polícia a actualização permanente para dar respostas às novas exigências”, sustentou Manuel Monteiro, para quem a acção formativa tem sido “muito proveitosa”, também por conjugar a experiência de três países, com formadores nacionais, do Brasil e dos Estados Unidos da América.

“É um curso bastante prático que nos permite aprender muito, até para mim que tenho tantos anos de experiência”, considerou, adiantando que o curso reúne essencialmente elementos da região do Barlavento, uma vez que a formação foi ministrada antes em Santiago.

Nestes dias, além das metodologias de investigação, também os participantes, conforme a mesma fonte, estão a “aprimorar e actualizar” também em relação à legislação cabo-verdiana, tanto assim é, que além da PN, no total de 30 elementos, participam na formação outras entidades como a Polícia Judiciária e magistrados.

A formação é promovida pela PN em parceria com o Escritório das Nações Unidas contra a Droga e Crime (ONUDC) e financiamento do Departamento de Estado dos Estados Unidos da América.

Esta actividade está inscrita no âmbito de um Projeto Mundial CRIMJUST do ONUDC, que visa, segundo os promotores, “reforçar a investigação criminal e a cooperação criminal ao longo da rota da cocaína na América Latina, Caribe e África Ocidental”.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.