A respectiva medida de restrição de passageiros impõe que os hiaces passem a circular com oito pessoas e um certo distanciamento, de forma que cada passageiro possa sentar perto das janelas.

Em Pedra Badejo, o condutor Admir Correia revelou que as autoridades já socializaram com eles as medidas de circulação e transporte dos passageiros, mas ainda não começaram a cumprir.

“A partir de amanhã vamos ver se iremos cumprir ou não”, disse, acrescentando que, no seu entender, mesmo com a limitação do número de passageiros, é difícil evitar a transmissão dentro de um hiace, dada a sua estrutura um pouco “pequena e fechada”.

Entretanto, reconheceu que seria bom se esta medida conseguisse evitar o contágio.

Conforme mostrou, saem a perder devido à redução do número de pessoas que passarão a transportar.

Instado sobre as medidas de prevenção no seu trabalho, este condutor respondeu que lava as mãos e às vezes desinfecta com álcool-gel, mas avançou que os passageiros não tomam esta iniciativa.

Numa ronda pela cidade de Pedra Badejo, no município de Santa Cruz, nota-se uma ligeira redução de circulação das pessoas nas ruas, mas nas proximidades do mercado municipal dá para constatar um cenário diferente, apesar de as autoridades estarem a sensibilizar as pessoas para permanecerem em casa.

Aliás, a comerciante Isabel Ramos, que vende roupa nas proximidades do mercado, admitiu que não se está a cumprir as normas e lança culpa nela e nos seus colegas porque os fiscais alertaram para não arrumar seus produtos a fim de evitar a concentração de pessoas neste dia de feira, mas não obedeceram.

Isabel Ramos mostrou-se preocupada com os rumores de que algumas pessoas que vieram da ilha da Boa Vista estão a circular nas ruas.  É que, segundo ela, as vendedeiras estão sem nenhuma protecção.

“Se uma pessoa com vírus vier fazer compras podemos ser infectadas e transmitir para outras pessoas silenciosamente”, acautelou.

Sobre a chegada de pessoas da ilha de Boa Vista através de botes, o comandante da Policia Nacional em Santa Cruz garantiu este sábado que não se registou nenhum caso do tipo e voltou a reforçar isso numa conversa, via telefone, com a Inforpress no início da noite.

Por sua vez, a delegada de saúde avançou que até este sábado somente receberam a chamada de duas pessoas que vieram da ilha da Boa Vista depois do dia 09, data em que chegou à ilha o inglês que foi diagnosticado com Covid-19, portanto, está-se a aguardar mais detalhes.

Nos estabelecimentos comerciais nota-se funcionários com luvas e máscaras e a limitação do número de pessoas a entrar.

A Inforpress constatou ainda alguns Hilux Toyota com números de passageiros que ultrapassam o limite.

Em Santa Catarina, a câmara municipal delimitou o número de passageiros para cada tipo de viaturas e isentou a cobrança das senhas.

Mas, os condutores afirmam que vão ficar de perda e defendem a suspensão do terminal de viaturas por duas semanas.

Sabe-se que alguns proprietários já pararam os seus hiaces por causa disso.

Segundo apurou a Inforpress em Santa Catarina, ultrapassando os efectivos da polícia e fiscais, os condutores continuam a colocar passageiros nas viaturas durante o trajecto para a cidade da Praia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.