O executivo, através da Agencia Nacional de Águas e Saneamento,  já apresentou o roteiro aos municípios de Santo Antão, que dizem aguardar com “grande expectativa” a realização deste projeto, com que se espera resolver, “dentro de dois anos”, os “constrangimentos” por que passa Santo Antão a nível do saneamento e abastecimento de água.

O projeto, cofinanciado pelo Banco Árabe para o Desenvolvimento em África (Badea), visa melhorar o abastecimento de água potável em todos os três municípios de Santo Antão e resolver ainda “o caos” que tem sido  gestão e tratamento dos esgotos na cidade do Porto Novo.

No domínio de água, o projeto prevê a construção de 25 quilómetros da rede de adução e distribuição no município do Porto Novo, além de 3.500 ligações domiciliarias de e construção/reabilitação de reservatórios.

No municiono da Ribeira Grande, prevê-se a reabilitação de três reservatórios e feitas três mil ligações domiciliárias, enquanto que no Paul serão feitas, com este projeto, duas mil ligações domiciliárias.

A nível do saneamento, o projeto vai permitir a construção de uma rede de esgotos de 20 quilómetros  e extensão e mais de 300 ligações domiciliárias, prevendo a ainda a montagem de uma estação de tratamento de águas residuais (ETAR), duas estações de bombagem e 200 fossas séticas nas zonas rurais.

O projeto contempla, igualmente,  aquisição de dois camiões limpa-fossas, entre outras ações.