O diretor deste estabelecimento hospitalar, Evandro Monteiro, disse que o responsável da saúde mental do Hospital “Mont Sinal” de Nova Iorque, que integrou a missão médica do Templo de Restauração (embora não faça parte diretamente desta instituição), esteve com a direção do hospital e do serviço de psiquiatria e abordou a questão da saúde mental, ao nível da ilha e da região.

Evandro Monteiro disse que foram analisados aspectos que fazem parte do plano para a região sanitária na área de saúde mental, tendo em conta toda a problemática envolvente, seja ela no hospital, comunidade e família, e como colmatar esta problemática.

Segundo o mesmo, ficou assente a possibilidade deste hospital apoiar uma iniciativa que visa a construção ou reabilitação de um espaço físico a nível da região para o tratamento prolongado dos doentes com necessidades da saúde mental, observando que está disponível para comparticipação, mas todos que estão de forma directa ou indirectamente sensibilizados com a questão devem comparticipar.

“O que se pensa é ter um espaço onde podemos abarcar outros aspectos da saúde mental ou que pode trazer complicações ligadas a problemática de saúde mental, nomeadamente a desintoxicação de drogas e do álcool”, disse Evandro Monteiro.

Segundo a mesma fonte, aquele hospital tem uma vasta experiência a nível mundial em fazer assessoria e há possibilidade de comparticipar do financiamento, cabendo à parte nacional mobilizar recursos junto das comunidades cabo-verdianas, sobretudo foguense e bravense com interesse e sensibilizado para esta obra necessária para saúde a nível da região.

Evandro Monteiro indica que este espaço teria localização fora do hospital, mas não necessariamente na cidade, sublinhando que o objectivo é ter um espaço adequado para se fazer em pleno exercício terapêutico para problemática e o hospital e as estruturas de saúde irão alocar técnicos que eventualmente serão necessários para que o mesmo funcione em condições.

Tendo em conta que no dia 10 de Outubro se celebra o Dia Mundial de Saúde Mental, este disse que o hospital irá fazer uma pequena abordagem do tema e no dia 11 realiza uma actividade, no hospital, sobre a saúde mental.

Na próxima sexta-feira, 11, sob a orientação da Organização Mundial de Saúde (OMS), o hospital vai realizar actividades ligadas ao problema de visão e o hospital quer dar enfoque a este sector que já começou a fazer este trabalho, salientando que o lema é “primeiro a visão”.

A problema de visão, segundo Evandro Monteiro, é a principal deficiência que existe na região sanitária Fogo/Brava e é um problema sobre o qual o hospital tem de se debruçar.

As causas são muitas e estão ligadas ao envelhecimento da população, miopias, conjuntivite crónicas, razão porque a deficiência visual é grande e a lista de espera de pacientes com problemas oftalmológicos deve ser gerida, porque o hospital não tem como acabar com a lista, porque é um trabalho continuado, assegurado por um serviço que funciona com uma especialista e um assistente.

“O que pretendemos e vamos fazer alguma diferença é levar o serviço à comunidade, a especialista faz abordagem do doente e se tiver de fazer ulteriores exames é encaminhado ao hospital”, disse Evandro Monteiro, indicando que assim espera diminuir a lista.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.