Várias iniciativas em diferentes cidades portuguesas estão a ser promovidas nas redes sociais pela comunidade cabo-verdiana em forma de homenagem ao jovem Luís Giovani que faleceu no dia 31 de dezembro de 2019 no Hospital de Santo António, no Porto, depois de ter sido vítima de agressão na cidade portuguesa de Bragança.

Uma marcha silenciosa realiza-se no dia 11 de janeiro pelas 15 horas, no Terreiro do Paço, em Lisboa. Também no dia 11, sábado, estão marcadas vigílias de homenagem nas cidades no Porto, na Avenida dos Aliados, em Coimbra, na Praça da República, e na Igreja da Sé, em Bragança, todas no mesmo horário.

Com a hashtag #justicaparaogiovani, as iniciativas têm sido partilhadas nas redes sociais por amigos do malogrado bem como por várias personalidades cabo-verdianas residentes em Portugal e têm-se multiplicado por outras cidades, mesmo fora de Portugal.

Segundo as informações noticiadas até então, o jovem de 21 anos, natural da ilha do Fogo, Luís Giovani dos Santos Rodrigues, faleceu no dia 31 de dezembro, 10 dias depois de ter sido brutalmente espancado por cerca de 15 pessoas, na cidade de Bragança em Portugal. Um acontecimento que abalou a toda a comunidade cabo-verdiana.

Em mensagem nas redes sociais, a plataforma “Jovens Cabo-Verdianos na Diáspora” apresentou os seus sentidos pêsames à família do jovem e convida a todos a participar na marcha silenciosa em homenagem ao Luís Giovani.

Na sexta-feira, a Embaixada de Cabo Verde em Portugal emitiu um comunicado e o embaixador de Cabo Verde em Portugal, Eurico Monteiro, já pediu a clarificação “cabal” das circunstâncias da morte do jovem.

Reagindo ao sucedido, o Presidente da República de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, adiantou também estar a acompanhar, através da Embaixada em Lisboa, os contornos da “morte brutal” do estudante.

A líder do PAICV, maior partido da oposição em Cabo Verde, defendeu no fim-de-semana que fossem pedidas explicações ao Governo português sobre a “bárbara” morte de um estudante cabo-verdiano após ser agredido em Bragança.

Entretanto, o ministro dos Negócios Estrangeiros e Comunidades de Cabo Verde, Luís Filipe Tavares, pediu hoje “celeridade” no “esclarecimento cabal” pelas autoridades portuguesas da “trágica” morte do estudante.

As autoridades portuguesas também já reagiram ao sucedido tendo o ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal através da sua conta na rede social Twitter dito que os responsáveis da agressão serão levados à justiça. “Lamentamos profundamente a bárbara agressão de que resultou a morte, em Bragança, de um estudante cabo-verdiano. Os responsáveis serão identificados e levados à justiça”.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.