Para a materialização desta ação, a edilidade rubricou hoje dois protocolos de cooperação, sendo um com a Associação Bons Amigos e outro com o Movimento Cívico das Comunidades Responsáveis (MCCR).

Segundo o vereador da área de Saneamento, Paulo Velhinho, a Cidade da Praia tem vindo, há décadas, a ser confrontada com a problemática dos animais abandonados, especialmente cães, e, uma das apostas tem sido a recolha e abates, mas a partir de hoje, com essas duas associações vão mudar o método de trabalho.

“Vamos fazer uma nova forma de solucionar o problema, baseada na consciencialização da população e resolver, de uma vez por todas, esse problema de animais abandonados. Não vamos ter abates, a não ser nos casos que requerem eutanásia ou cães considerados perigosos”, indicou.

No âmbito do protocolo assinado com o Movimento, este propõe fazer uma gestão ética da população canina, que, segundo a fundadora, Maria Fortes, baseia-se nos princípios da captura, castração, tratamento, recolocação, adoção comunitária, recenseamento, sinalização e registo dos cães comunitários e seus cuidadores.

“Estamos num momento histórico, porque, pela primeira vez, a câmara aposta numa solução diferente relativamente aos animais abandonados. É um percurso longo (…), esperamos que juntos, vamos fazer a diferença, e, dentro de um prazo visível não vamos ter animais abandonados nas ruas”, perspetivou.

Já à Associação Bons Amigos e a Câmara Municipal vão cooperar na realização do projeto de controlo da circulação e reprodução de cães e gatos nas zonas de Achada Grande Trás, Palmarejo e Cidadela, recorrendo às técnicas de desparasitação e à castração dos animais, bem como informação e sensibilização da população e o registo dessas animais.

A médica veterinária na Associação Bons Amigos, Verónica Cabral, precisou que durante esse trabalhar vão realizar um censo em todas as zonas, para saber sobre os cães que estão na rua e em casa e, que vão contar com o apoio de uma empresa no fornecimento de ‘chips’ de identificação dos cães.

As partes envolvidas acreditam que é só através desta via que vão conseguir resolver o problema de animais na rua e mudar, de vez, a imagem da Cidade da Praia.

Consideram ainda que, através desta sensibilização, podem incutir nas pessoas de que os animais que estão na rua e vivem perto das suas casas também são da sua responsabilidade e que devem também ser alimentados, desparasitados e castrados.

No âmbito deste protocolo, a Câmara Municipal da Praia também se propõe como a primeira ação conjunta, ser parceiro na Feira de Adoção de Cães e Gatos a ser realizada no dia 25 de Março, pelo Movimento Cívico das Comunidades Responsáveis.