Em declarações à Inforpress, o presidente da autarquia praiense adiantou que, neste momento, o projecto está em consulta pública nas redes sociais para recolha de subsídios e depois será socializado com a população e moradores do Platô, tendo assegurado que as obras deverão começar daqui a dois anos.

Assegurou que a autarquia solicitou um estudo sobre o estacionamento no Platô, e a mesma revelou que existe um problema de parqueamento e que os lugares disponíveis começam a ser insuficientes e que daqui a 2 ou 3 anos a cidade ficará estrangulada.

Segundo explicou o edil praiense, para além de um parque de estacionamento subterrâneo de dois pisos para acolher cerca de 400 carros, o projecto integral da praça Alexandre Albuquerque prevê a revitalização da fonte, reorganização do espaço verde, criação de nova esplanada e postos de informação turística.

“Vamos ter margem de transformar algumas partes e ruas do Platô em pedonal seguindo a tendência mundial que é devolver a cidade onde as pessoas possam ter espaços pedonais para andar, daí a necessidade de termos uma visão a longo prazo sobre que cidade queremos ter”, precisou, o autarca que disse que o objectivo é resolver a questão de estacionamento do centro do Platô e melhorar o aspecto da cidade.

Por se tratar de um projecto da câmara e de grande dimensão, afirmou que o orçamento ronda os 400 a 500 contos e vai ser implementado em 2021.

Óscar Santos disse que o projecto ainda não está fechado e que é importante as pessoas participarem e darem opiniões.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.