O religioso falava à Inforpress, no dia que se comemora o Dia Internacional da Família, incidindo sobre a realidade boa-vistense.

O pároco Adriano Gomes, que tem vindo a escutar e conhecer as famílias boa-vistenses e de outras que vivem na ilha, disse “estar apreensivo e chocado” e lança um olhar crítico sobre a realidade social que, ao seu ver, “acaba por afectar a vida familiar na ilha da Boa Vista”.

“Acho que o mundo laboral nesta ilha não favorece a vida familiar. As famílias trabalham incansavelmente para o desenvolvimento desta ilha, e os pais e filhos dificilmente se encontram para partilhar momentos de família”, disse o padre, que questiona a forma como são colocadas as oportunidades de emprego na ilha.

O sacerdote observa que a “há na ilha muitas famílias desestruturaras e numerosas”, situação que vê como “preocupante”, sobretudo a “dificuldade de relação intra-familiar” e outros problemas que, observou, tem vindo a assistir e que “acabam por sufocar muito o ambiente harmonioso que se gostaria de ver nas famílias e na sociedade”.

“As pessoas quando regressam aos seus espaços, depois do trabalho, não têm um tecto digno para respirarem tranquilamente, para descansarem”, alerta o padre, que, “além da falta de habitação condigna”, aponta a saúde e a educação como sectores que todos reconhecem como “gritantes” e que afectam a vida familiar na ilha de Boa Vista.

O sacerdote questiona como resolver estes problemas, que ele considera desafiadores. Para o religioso “se as bases não estiverem consolidadas pode-se ter uma sociedade onde a família é menosprezada pelos direitos e deveres fundamentais, que, ao seu ver, lesa a família e a dignidade humana e que sociedade acaba por respirar isso”.

O padre Adriano Gomes, “sem querer ser profeta da desgraça”, manifesta a sua indignação por estes problemas sociais “acabarem por constringir o trabalho a nível pastoral e da igreja, porque “Deus é família e família é o reflexo que Deus”, e o espaço onde aprendemos a ser pessoas.

Entretanto, Adriano Gomes lembrou que “todos são chamados”, sublinhando a necessidade de intervir sobre estas situações e criar mais condições humanas para a família que é transversal”.

O padre informou que estarão na Boa Vista dois padres da diocese de Santiago, Adriano Rodrigues, da igreja de Nossa Senhora de Fátima, e Isaías Carvalho, da igreja de Santo Domingos, para “congregar e promover quanto mais possível a família”.

Este ano, a igreja católica, no Barlavento, celebra o ano da família sob o lema da diocese “Família é tesouro da humanidade.”

O padre avançou ainda que se vai promover encontros nas duas paróquias da ilha, não só aos cristãos de Boa Vista, e a outras pessoas para terem uma conversa aberta sobre a família.

“Vamos levar também uma palavra de esperança, e cristã. Queremos no fundo passar esta mensagem que a família é um tesouro que se deve cuidar, promover e proteger”, afirma o padre que quer despertar nas pessoas não só os fiéis, “a importância da família e a necessidade de a olhar como algo precioso e valioso que precisa ser cuidado com atenção redobrada”.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.