O presidente da Câmara Municipal da Ribeira Grande, Orlando Delgado, acredita que os dois anos de seca consecutivos, enfrentados pelos agricultores da ilha de Santo Antão, estarão na origem da diminuição do número de feirantes, em relação aos anos anteriores.

“Estamos a viver um ano atípico” disse Orlando Delgado, explicando que “há muitos anos” não se tinha vivido “dois anos de seca consecutivos” que tiveram “impacto na produção agrícola” e, com isso, na menor presença de feirantes, embora em número suficiente para viabilizar a realização da feira.

A FAIRG, que já vai na sua 12ª edição, é assumida como “espaço de negócio, mas também de confraternização” integrando uma componente cultural que, também, atrai a atenção das populações das cidades da Ribeira Grande e da Ponta do Sol.

Para Orlando Delgado a agricultura é “um dos sectores primordiais” para o desenvolvimento do concelho da Ribeira Grande, daí a aposta na realização da feira, que é uma montra da produção agro-industrial da ilha de Santo Antão, “quer de forma directa, quer agregando valor” aos produtos da terra.

Por isso, Orlando Delgado deixou aos presentes a promessa de trabalhar na mobilização de mais água durante o ano que começa, para que Ribeira Grande possa ter mais agricultura e, consequentemente, mais produção.

O programa previsto para hoje sofreu alteração e a inauguração da requalificação da Unidade Sanitária de Base (USB) de Lagoa, seguida de uma feira de saúde, e a inauguração da requalificação do Centro Social de Lagoa foram adiados para o próximo dia 20.

No desporto, está previsto o início do torneio de futebol infantil, no campo de Tarrafal, e o arranque do torneio de voleibol.

O programa tem o seu ponto alto no dia 17, com a sessão solene no Salão Nobre dos Paços do Concelho, em comemoração do Dia do Município, e com as actividades religiosas, missa solene em comemoração do dia de Santo Antão e do município, na Igreja Matriz de Nossa Senhora do Rosário.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.