Em declarações à Inforpress, o condutor Geremias Semedo, também conhecido por Mia, disse tratar-se de “algo positivo” a criação do terminal para paragens de hiaces.

“Gastámos menos combustível com as voltas pelo Sucupira, estamos parados e é mais descansado porque não estamos mais a lutar com as pessoas para entrarem no carro”, completou.

Mia informou ainda que agora demoram cerca de 5 a 7 minutos na fila para lotarem as viaturas.

“A única contrapartida é que passei a fazer menos viagens para a Assomada o que me faz ganhar menos, entretanto tenho menos gastos com as perdas de pastilhas e manutenção, por exemplo”, acrescentou.

Para outro hiacista, Gilson Semedo, que também opera na linha de Assomada, já se notam “resultados em alguns pontos”, mas, por outro lado, diz ser preciso melhorar alguns aspectos.

“Fomos postos aqui sem nenhuma condição. Estamos à toa. Penso que, pelo menos, deveriam criar algumas soluções. Estamos aqui de cedo para a tarde, as vezes ficamos aqui junto de contentores sujos e nauseabundos. Já houve dias em que cheguei em casa com dores de cabeça por causa disso”, avançou.

Quem também vê vantagens no terminal para paragens de hiaces é o condutor Jorge Moreira, da linha da Cidade Velha.

“Cidade Velha Sempre teve paragem, sempre fomos organizados. Por isso não nos sentimos prejudicados. Penso que as filas fazem com que as coisas estejam mais organizadas e as viaturas gastam menos pneus e combustíveis, por exemplo. Acho que é melhor”, frisou.

Danilson Silva, da linha de São Domingos, afirmou estar, igualmente, satisfeito. “Acho que está bem. Agora com uma quantidade reduzida de combustível consegues trabalhar. Antes dávamos várias voltas para carregarmos, mas agora conseguimos lotar em apenas 10 minutos parados, sem o stress de correr atrás de passageiros”, disse.

“Na verdade, há já muito tempo que temos nossa paragem, mas antes conseguíamos menos passageiros porque os hiaces de Assomada transportavam as pessoas de São Domingos, o que agora não tem acontecido”, ajuntou o condutor, completando que saíram a ganhar porque agora os seus passageiros vão ter com eles na paragem de São Domingos.

Por outro lado, Mário de Pina, que opera na linha do Tarrafal, considerou que “as coisas ficaram piores” com a paragem.

“Os condutores de Assomada têm uma opinião diferente porque são economicamente mais fortes. Estamos prejudicados, a solução, para mim, é acabar com as filas, pelo menos para o lado do Tarrafal. Eu cheguei hoje às 8 da manhã na Praia, mãos até agora, pouco para as 18 horas, ainda estou aqui. Tenho os meus passageiros que querem ir comigo, mas não podem porque devem apanhar o primeiro da fila” queixou-se.

O terminal para paragens de hiaces na Cidade da Praia começou a operar no final deste mês de Maio, infraestrutura que inclui dez parques que custaram à câmara municipal cerca de quatro mil contos.

O director das Infra-estruturas e Transportes da Câmara Municipal da Praia, Ailton Varela, foi quem, no passado mês de Abril, apresentou o projecto e falou das regras a serem cumpridas a partir da data de entrada em funcionamento das paragens.

Segundo o responsável, no terminal a situar-se transitoriamente na parte de trás do Parque 5 de Julho incluiu-se ainda parque de táxis, zona para carga e descargas de mercadorias e zona de estacionamento privativo.

Nos dez parques a serem delimitados, disse, figuram o parque de lavagem de viaturas, parque para paragem de viaturas que se deslocam a Santa Cruz, a Calheta de São Miguel, a Santa Cruz, ao Tarrafal, a Santa Catarina, a São Domingos, a São Lourenço dos Órgãos, a Cidade Velha, a Nossa Senhora da Luz e São Salvador do Mundo e parque para táxis.

Conforme o diretor das Infra-estrutura e Transportes da Câmara Municipal da Praia, o terminal definitivo vai situar-se em Achada São Filipe.