Em declaração à Inforpress, após a inauguração da infra-estrutura, Óscar Santos disse que esta obra custou 21 mil custos, através de uma parceria público-privada, aprovada na Assembleia Municipal.

“Há pessoas que são contra a parceria púbico-privado, que até pediram embargo da obra, devem reflectir que em qualquer sociedade ou economia este tipo de parceria é um instrumento fundamental para promover o desenvolvimento”, observou o edil praiense.

Para o edil praiense, “esse tipo de política com falta de bom senso” acaba por bloquear a iniciativa privada, dado que, conforme observou, a autarquia tem que dar sempre “um bom sinal” e não “afugentar” as empresas.

“A tarefa fundamental de um presidente de câmara é promover mais investimentos para a sua cidade, mais emprego para os seus munícipes, através da parceria com os privados, disponibilizando também lotes de terrenos para se fixarem nas cidades”, explicou.

No entanto lembrou que no espaço onde foi edificado a infra-estrutura existia um quiosque, considerando por isso que inauguração deste espaço vai dar uma “nova visão” ao bairro da Fazenda, “com uma infra-estrutura de qualidade, dotada de internet sem fio para dar maior frequência à praça e ajudar nos negócios.

Acrescentou que vão ser feitos outros investimento no bairro, designadamente, um pedonal que inicia na Escolinha até à rotunda do estádio da Várzea, com o objectivo dotá-lo de uma nova centralidade e criar espaços de circulação das pessoas.

OM/HF

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.