Essa barragem, inaugurada em 2012, no quadro do projeto de reordenamento da bacia hidrográfica de Alto Mira, não funciona, há mais de dois anos, depois de sofrer avultados danos durante as cheias que fustigaram Santo Antão em 2016, estando a sua recuperação a depender da construção da estrada de acesso à Chã de Branquinho, segundo o Ministério da Agricultura e Ambiente (MAA).

O Governo anunciou, para o próximo ano, a construção da estrada de acesso à Chã de Branquinho, no quadro do programa de reabilitação, recuperação e acessibilidades, que prevê investimentos à volta de 117 mil contos em todo o município do Porto Novo.

Com a recuperação dessa infraestrutura hidráulica, a disponibilidade de água para agricultura, tanto em Chã de Branquinho e Clementim, mas, também, nas zonas limítrofes, como Covoada de Vassoura e, provavelmente, Morro Cavalo, aumentará, de forma significativa, segundo o MAA.

A reparação da barragem, que custou 25 mil contos, está prevista no quadro do programa de reconstrução da ilha de Santo Antão, mas a realização das obras está a depender da estrada para permitir o transporte de equipamentos pesados ao local, de acordo com o delegado do MAA no Porto Novo, Joel Barros.

Segundo ainda o MAA, todos os equipamentos necessários à recuperação dessa barragem estão adquiridos à espera da estrada, também muito aguardada pelos agricultores, que têm dificuldades no escoamento dos produtos.

Porém, segundo os agricultores, a atividade agrícola em Chã de Branquinho não tem sido muito afetada pelo facto dessa barragem estar inoperacional há dois anos, já que existe uma nascente que tem assegurado a irrigação das propriedades agrícolas.