O Planalto Norte do Porto Novo, Santo Antão, receberá, em 2018, investimentos nos domínios da água e energia elétrica, que ultrapassam os 45 mil contos, montante já praticamente assegurado pela edilidade porto-novense, através dos seus parceiros.

Através do Programa GEF (Global Environment Facility), lançado em Cabo Verde, em 1992, e das cooperações portuguesa e luxemburguesa, a Câmara do Poro Novo tem já assegurado a quase totalidade dos 21 mil contos para levar água potável ao Planalto Norte, no decurso de 2018.

Trata-se do projeto “Nô Kré Água” (Queremos água), que visa resolver, de forma sustentada, o problema de água no Planalto Norte, localidade onde as 168 famílias residentes enfrentam, ao longo de quase todo ano, a penúria de água, que se agravou agora em 2017, com a seca que fustiga o planalto.

Também, através do GEF, programa a cargo das Nações Unidas, e da cooperação portuguesa, a Câmara do Porto Novo conseguiu já mobilizar todo o financiamento, na ordem dos 25 mil contos, para levar energia elétrica durante 24 horas por dia ao Planalto Norte, mediante energias renováveis (sol).

Aliás, segundo a edilidade, o projeto está já na fase de implementação (foi concluído o concurso internacional para a contratação da empresa para fornecimento e instalação de sistemas fotovoltaicos) devendo as obras ficarem concluídas nos primeiros três meses de 2018.

No entender das autoridades municipais, os dois projetos, trarão novas perspetivas às populações das várias comunidades que enformam o Planalto Norte, que enfrentam graves problemas de abastecimento de água.

O Planalto Norte deverá, ainda em 2018, ser abrangido por um programa de prospeção de água subterrânea que o Governo tem na forja para as zonas altas da ilha de Santo Antão.

Uma equipa integrada por técnicos do MAA e da Agência Nacional de Água e Saneamento (ANAS) já identificou os sítios onde vão ser executados os furos no quadro desse programa, que deverá arrancar a partir de janeiro do próximo ano.

SAPO c/ Inforpress