Através de uma publicação na sua página do Facebook, Olavo Correia assegurou que já iniciaram as audições no quadro da preparação do Orçamento de Estado – OE 2019, nas quais estiveram em apreciação as políticas ativas de emprego e de empregabilidade, alinhadas com a dinamização da economia nacional.

Segundo este governante o instrumento de gestão do Estado para o próximo ano vai abranger todos os estratos sociais nas mesmas proporções como está estipulado no Plano de Desenvolvimento Sustentável(PED)-2017/2020.

“Neste cenário, a formação profissional e os estágios foram esmiuçados como importantes instrumentos de promoção da empregabilidade e para os quais, o Orçamento do próximo ano terá em grande linha de conta”, lê-se na publicação do ministro das Finanças e vice-primeiro-ministro.

Conforme Olavo Correia o trabalho está focado na melhoria do quadro institucional e consequentemente os resultados do desempenho da economia, com os olhos postos na criação de emprego, sobretudo jovem.

“Isto sem descurar que esta performance está intimamente ligada à boa articulação entre, nomeadamente, o Estado (envolvendo entre outros, as Câmaras Municipais) o setor privado, as Organizações Não Governamentais e as próprias famílias,” ajuntou.

Segundo o Governo, o Plano Estratégico de Desenvolvimento Sustentável (PEDS) fixa metas desafiantes para o período 2017/2021, numa abordagem consistente de longo prazo assente em quatro objetivos estruturantes.

O primeiro passa por fazer de Cabo Verde uma economia de circulação no Atlântico Médio, o segundo é garantir a sustentabilidade económica, social e ambiental, o terceiro é assegurar a inclusão social e a redução das desigualdades e assimetrias e o quarto é reforçar a soberania, valorizar a democracia e orientar as políticas externa e interna para vencer os desafios do desenvolvimento do país.