Segundo o relatório de tráfego do primeiro semestre, ao qual a Lusa teve hoje acesso, globalmente, o movimento de passageiros nos aeroportos de Cabo Verde cresceu 0,3%, impulsionado pelo aumento do movimento internacional, 6,4% em termos homólogos, enquanto o doméstico diminui 11,2%.

“À exceção do aeródromo do Maio, todos os outros aeroportos registaram diminuição no tráfego de passageiros a nível doméstico, face ao período homólogo”, aponta o relatório, sublinhando que os aeroportos nacionais perderam, no movimento doméstico, 47.653 passageiros tendo em conta os 425.021 registados entre janeiro e junho de 2018.

Esta quebra foi compensada pelo aumento dos passageiros das ligações aéreas internacionais (embarques e desembarques), que chegaram nos primeiros seis meses do ano a 856.506, um crescimento homólogo de 51.583 passageiros.

Globalmente, os quatro aeroportos internacionais e os três aeródromos registaram no primeiro semestre um total de 1.233.874 passageiros, dos quais 503.855 passageiros (-3,6% face a 2018) no Aeroporto Internacional Amílcar Cabral, na ilha do Sal.

Ainda nos primeiros seis meses do ano, a ASA registou um decréscimo de 53 movimentos (- 0,3%), em relação ao mesmo período do ano anterior, para um total de 16.410 aviões, “influenciado pelo decréscimo de movimentos de aeronaves a nível doméstico”, que diminuiu 9,8%, enquanto o tráfego de aeronaves de ligações internacionais aumentou 8,9%.

No aeroporto do Sal, a operadora turística Thomson Fly tem uma quota do mercado de 25,4%, seguida da portuguesa TAP (12,3%), da Cabo Verde Airlines (9,1%), da Thomas Cook Scandinavia (8,1%) e da TUI Fly Nederlands (6,8%).

Ainda neste aeroporto, as rotas com origem e destino na cidade de Lisboa continuam a ocupar o primeiro lugar, com um total de 75.720 passageiros processados, um aumento 2% e uma quota de mercado de 17,8%, seguida de cidades na Inglaterra, França, Holanda e Suécia.

Por outro lado, o relatório sublinha que o aeroporto do Sal registou a entrada de novas operadoras que, em 2019, “já movimentaram mais de 22 mil passageiros”, casos da AlbaStar, Jet Time e Tui Fly Nordic, além das companhias de bandeira Air Senegal e TAAG Angola Airlines.

Já o aeroporto da Praia, capital do país e o segundo mais movimentado, somou 322.235 passageiros no primeiro semestre (aumento de 0,6% face a 2018).

Este resultado foi influenciado pelo tráfego internacional, que cresceu 26,5% em aeronaves movimentadas e 19,9% em passageiros, “essencialmente justificado pelo forte desempenho das operadoras Tap Air Portugal e Cabo Verde Airlines, face ao período homólogo”, lê-se no relatório.

O documento também salienta a entrada no aeroporto da capital da Air Senegal, com a companhia senegalesa a transportar para a Praia, no primeiro semestre de 2019, mais de 10 mil passageiros.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.