O edil de Santa Catarina do Fogo, Alberto Nunes, disse hoje à Inforpress que todo o dossiê, quer o caderno de encargo jurídico como técnico, está na posse da edilidade que na sexta-feira começou a endereçar cartas/convites a empresas para participar no concurso para a reabilitação da estrada de Cova Figueira/praia de Casinha, financiado pelo Fundo do Turismo.

Segundo o autarca, as empresas existentes em Santa Catarina (Fogo) não dispõem de alvará exigido para obras desta dimensão, mas salienta que o concurso ressalva que a empresa seleccionada deve privilegiar mão-de-obra local (Santa Catarina) como forma também de combater o desemprego no município.

Alberto Nunes contava receber da empresa contrata para prestação de serviço, o dossiê para a construção da segunda via alternativa da cidade de Cova Figueira, ligando Lapinha a Kapapia (parte alta da cidade), ainda na última sexta-feira, indicando de que se tudo correr como o previsto o concurso para selecção de empresa para execução dessa obra vai ser lançado já no decurso da próxima semana.

Explicou ainda, que o município contou com apoio de uma equipa técnica do município da Praia na resolução de pequenos problemas no projecto de requalificação urbana da cidade de Cova Figueira, esperando ter o dossiê pronto nos próximos dias para que o concurso seja lançado até meados do próximo mês de Março.

Além dessas intervenções, Alberto Nunes avança que a edilidade vai avançar nos próximos dias com a reabilitação de pelo menos 60 casas de famílias de baixa renda, acrescentando que neste momento a sua equipa está na fase de mobilização de recursos para implementação de um conjunto de projectos identificados nos domínios da pesca, agricultura e pecuária.

Como a edilidade elegeu dentro dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) a erradicação da pobreza no município como prioridade, está a inventariar a nível do município as famílias que ainda não dispõe de casas de banho e ligação domiciliaria de água e energia eléctrica, para mobilizar financiamento para, eliminar ou reduzir ao máximo possível o numero de família sem casas de banho, agua e energia eléctrica no horizonte 2021/22.

Segundo o edil, neste momento está-se na fase de levantamento, localidade por localidade, para ter uma ideia clara do número de famílias nesta situação visando a implementação do projecto com apoio técnico das empresas Águabrava e Electra.

JR/FP

Inforpress/Fim

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.