O ministro da Economia e Emprego, José Gonçalves, reúne-se, no sábado, com empresários e promotores de grandes investimentos na área de turismo na ilha do Fogo.

O encontro, solicitado pelo Ministério da Economia e Emprego, através da Agência para o Desenvolvimento Empresarial e Inovação (ADEI) e pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) e a Câmara Municipal de São Filipe, acontece nas instalações do Centro de Emprego.

A anteceder este encontro alargado, José Gonçalves recebe o promotor do Aloé Vera Resort, um empreendimento turístico constituído por hotéis de cinco estrelas, com capacidade total para 150 quartos, representando um investimento global de 62.4 milhões de euros.

No encontro, a questão de fundo a ser analisado é o equacionamento da questão de transporte, nomeadamente a ligação aérea entre Praia/São Filipe e Sal/São Filipe, que na óptica dos promotores constituem constrangimento maior para o investimento.

O estudo de viabilidade económica do projeto está concluído e a construção do empreendimento arranca no primeiro semestre de 2017, sendo que a previsão para a pré-abertura está programada para 01 de novembro de 2019.

O empresário e promotor do empreendimento, que vai garantir perto de 400 postos de trabalho direto, Werner Strasser, disse que se o problema do transporte não for resolvido, o projeto terá de ser redimensionado.

A questão a ser analisada com o ministro passa pela iluminação da pista de São Filipe e a realização de voos nocturnos, já que os turistas para este empreendimento utilizam voos normais que chegam à Praia e ao Sal à noite e precisam ser transferidos para a ilha do Fogo sem terem de passar a noite no aeroporto.

O promotor, que já teve duas sessões de trabalho com a direção da empresa de Aeroportos e Segurança Aérea, ASA, vai, no encontro de sábado ,com o titular da pasta da Economia e também dos Transportes, demonstrar a necessidade de iluminação do aeródromo, já que a ASA deixou claro que a iluminação dessa infra-estrutura aeroportuária não está no seu plano para os próximos anos.

Já no encontro alargado com os promotores de investimentos, e sob a proposta da Câmara Municipal de São Filipe, será apresentado o projeto de uma linha de teleférico no circuito turístico Achada Fora/Bordeira/Boca Fonte com os representantes do Consórcio LUCSAN/CPR.

O projeto da linha de teleférico vai partir do fim da estrada de localidade de Achada Fora, zona centro do município de São Filipe e situada a uma quota de 1.130 metros de altitude para a Bordeira, situada a 2.500 metros de altitude e deste local para Boca Fonte, no interior da Caldeira, situada a 1.700 metros de altitude.

De Achada Fora para Bordeira a linha terá cerca de quatro quilómetros de extensão e entre Bordeira e Boca Fonte uma média de um quilómetro de extensão, devendo o projeto contemplar quatro estações, sendo uma na Achada Fora, outra entre Achada Fora e Bordeira, a terceira na Bordeira e a quarta em Boca Fonte.

O projeto, de uma empresa Espanhola, prevê para uma segunda etapa a ligação entre a cidade de São Filipe a Cidreira, numa extensão de nove quilómetros e Cidreira a Achada Fora, numa distância de 1.6 quilómetros.

SAPO c/Inforpress