O evento que durante três dias reuniu na Cidade da Praia técnicos do sector das entidades reguladores dos dois países, proporcionou momentos de partilha de experiência e reflexão sobre a regulação do sector, conforme explicou o representante da AGER, Posik Espírito Santo.

“Foi um momento proveitoso. Houve troca experiências e de conhecimentos, muitas sinergias e tiramos algumas ilações em termos de progresso de Cabo Verde em termos de regulação, tanto da parte técnica como da parte económica e também trouxemos também a nossa experiência, sobretudo da parte da electricidade”, disse.

Posik Espírito Santo frisou que o sector da regulação é específico e requer sessões de actualizações, formação e trocas de experiências técnicas como esta que aconteceu na capital cabo-verdiana.

“Quem ganha com tudo isso são os consumidores. A nossa preocupação é que as entidades reguladas façam a prestação de um serviço de qualidade e nesta matéria estamos seguros e cientes de que com esse encontro nós ganhamos imenso porque temos muitas coisas em comum, tendo em conta que somos duas ilhas insulares”, sustentou.

De igual forma Artur Sanches, técnico da regulação da ARME classificou de “benéfica” a reunião e defendeu a necessidade de se realizar encontros do género de forma regular e com a participação de mais reguladores dos países africanos de língua portuguesa (PALOP).

O técnico da ARME salientou que o principal desafio das entidades reguladoras tem a ver com a promoção da eficiência na questão dos custos e na melhoria da qualidade, da transparência e colocou tónica na questão da inovação e das energias renováveis.

“As energias renováveis é um desafio comum e é um desafio que conduz à segurança do sector porque nós temos elevado dependência dos combustíveis fósseis. Produzidos com o gasóleo, sobretudo neste momento em Cabo Verde. Já temos 20% das energias renováveis que é um passo grande e pretendemos mais e vemos isso como uma enorme oportunidade”, disse

“O país tem potencialidades e os investimentos estão na forja. O governo tem metas e agência precisa criar o melhor equilíbrio possível para que o mercado possa avançar”, sustentou.

O primeiro encontro técnico das entidades reguladoras do sector energético de Cabo Verde e São Tomé aconteceu no âmbito da Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Portuguesa (RELOP) e contou com o alto patrocínio da União Europeia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.