Além do fundo, estimado em quatro mil contos, a câmara do Porto Novo, em parceria com serviços locais do Ministério da Agricultora e Ambiente (MAA), já trabalha num novo plano de mitigação da seca, à volta de 37 mil contos, que tem o objectivo, explicou a edilidade, de criar empregos e resiliência nas comunidades.

Os agricultores e criadores de gados no interior do concelho, designadamente das zonas altas (Planalto Norte e Zona Sul) clamam pela “atenção” da edilidade e do Governo, face ao espectro de mais um ano de seca, neste concelho, um dos mais áridos do arquipélago.

Os deputados da Nação, de ambos os partidos, eleitos por Santo Antão, já alertam para a situação que se vive nessas localidades, sugerindo medidas para suavizar os efeitos de mais um mau agrícola neste município.

A câmara municipal reconhece que o concelho do Porto Novo passa, neste momento, por um momento muito complicado, por causa da seca que coloca em risco a segurança alimentar de centenas de famílias.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.