Pedro Lopes fez estas declarações à imprensa à margem da conferência intitulada “Tendências globais da economia digital”, promovida hoje, na cidade da Praia, tendo na ocasião sublinhado que o Governo está a trabalhar para que em 2019 a tecnologia avançada tenha um “impacto positivo” na vida das pessoas.

“Para nós é muito importante termos um Cabo Verde apostado em infraestruturas, que aposta no reforço das competências dos nossos jovens para abraçar novos desafios da economia digital e também na comunidade dar força a iniciativas desenvolvidas pelos nossos jovens”, asseverou o governante, referindo que Cabo Verde precisa estar preparado para o futuro, e que a retórica tem que acompanhar também aquilo que são as realizações.

Segundo este responsável, ate ao final do ano o sistema 4G será uma realidade em Cabo Verde, indicando a construção do parque tecnológico, que estará concluído em 2019, como um “grande projeto” que, na sua opinião, irá facilitar o acesso das pessoas e empresas à Internet.

O governante apontou ainda a necessidade de o país estabelecer uma ligação com a diáspora, visando reforçar as políticas de dinamização da economia digital, relembrando neste sentido a realização do evento CVNext, que teve como objetivo dar visibilidade aquilo que é feito pelas empresas nacionais, como um dos passos para impulsionar o setor.

“É importante dizer que a inovação hoje em dia em Cabo Verde permite chamar um táxi através de um click, permite fazer gestão de filas com aplicação desenvolvidas pelos nossos jovens e, entre outros, tudo isto está a acontecer no nosso país” realçou.

A conferência contou também com a presença de “um dos maiores especialistas mundiais” em economia digital, Luís Cabral, professor da Stern School of Business da New York University, que apontou a necessidade de se investir mais em infraestruturas e na educação para que Cabo Verde acompanhe a revolução industrial que está a acontecer no mundo.

Para este responsável, é importante que os atores governamentais, as empresas e a população em geral estejam preparados para essa revolução digital em curso, que, conforme realçou, terá um impacto “muito maior” do que aquilo que teve até agora, não só nos computadores e Internet, mas também na inteligência artificial.

“É fundamental investir na infraestrutura que um projeto que está sendo feito Cabo Verde que tem uma densidade digital muito superior à média da região”, ajuntou, acrescentando a importância de se investir também na educação para que as pessoas estejam preparadas para os novos fenómenos e tecnologias.

Luís Cabral salientou por outro lado que, tendo em conta a era global e época dos mercados globais, a existência de uma rede que é proporcionada pela diáspora pode ser uma “grande vantagem competitiva” para um país como Cabo Verde.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.