A afirmação foi feita em declarações à imprensa depois de um encontro com a presidente do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV-oposição), Janira Hopffer Almada.

Para Jorge Spencer Lima, essas medidas são de apoio às empresas e aos trabalhadores que neste momento fazem parte dos sistemas, apontando que o que se pretende é evitar os despedimentos.

“Aproveito esta oportunidade para lançar um apelo às empresas cabo-verdianas para não fazer despedimentos. É um acto patriótico não é o momento de despedir”, exortou, considerando que neste momento é fundamental que as empresa, os trabalhadores e os patronatos estejam juntos.

Em relação ao impacto da Covid-19 no sector do turismo, que emprega cerca de 20 mil trabalhadores, Jorge Spencer Lima sublinhou que essas medidas têm como objectivo não despedir pessoas, lembrando que as empresas vão ter o apoio se não houver despedimentos.

“São medidas que encorajam as empresas a lutarem (…) com meios e mecanismos para continuarem a viver”, concluiu.

O primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, anunciou hoje a criação de linhas de crédito com garantias do Estado, no montante global de quatro milhões de contos, destinada a reforçar a liquidez das empresas, durante a crise.

Desse montante global de quatro milhões de contos, um milhão será destinado para as grandes empresas em todas as áreas de actividade e com garantia até 50 por cento (%), uma outra linha de um milhão contos para empresas nos sectores do turismo, restauração, organização de eventos e sectores conexos, agências de viagens, transportes, animação e similares, com garantia até 80%.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.