O ministro do Turismo e Transportes e ministro da Economia Marítima manifestou esta intenção em declarações ontem, 13, à imprensa na Cidade da Praia, tendo informado sobre a sua deslocação a Bruxelas, Bélgica, no fim-de-semana, onde abordou com o embaixador de Cabo Verde nesse país as estratégias necessárias, tendo em conta que os termos do acordo de pesca entre Cabo Verde e a União Europeia estão a ser renegociados há duas semanas.

“Desta vez queremos negociar algo abrangente, ou seja, não só as pescas. Hoje as pescas estão muito intimamente ligadas à economia azul, à segurança marítima e às várias outras vertentes e nós queremos, de facto, que o acordo que venhamos a desenvolver, cujo epicentro será o acordo das pescas, tenha outras vertentes contempladas”, disse.

Neste sentido o governante considerou que a liderança do embaixador de Cabo Verde em Bruxelas, José Filomeno Monteiro é “muito importante”, porque conhece muito bem o meio ambiente onde trabalha, sublinhando que é também crucial o país aprender com outros países com a mesma experiência, nomeadamente as Seychelles.

José Gonçalves avançou ainda que o Governo tem mantido “muito bom diálogo” com a Associação dos Armadores de Pesca de Cabo Verde (APESC) em relação ao acordo que está a ser renegociado.

O atual acordo de pesca termina no final de 2018, devendo o novo ser firmado e aprovado ainda no decurso deste ano.