Esta informação foi avançada pelo presidente da Câmara Municipal da Brava, Francisco Tavares, que explicou que, neste ano, a câmara vai receber cerca de 2.500 contos, destinados à criação de emprego público, como forma de minimizar os efeitos da seca.

Salientou também que, no plano de mitigação do ano 2017/18, a autarquia recebeu cerca de 12 mil contos, para todos os tipos de atividades que diziam respeito à mitigação do mau ano agrícola, exceptuando o pasto e a ração.

Para este ano, somente terão a responsabilidade de criar empregos públicos e a outra parte, para as outras atividades, será gerida pela delegação do Ministério da Agricultura e Ambiente na ilha.

Na localidade de Mato Grande, vão investir o montante de 2.500 contos em obras de arruamento na zona, manutenção e conservação de muros de estradas já existentes e, neste momento, de acordo com informações avançadas pelo edil, estão aguardando apenas o desbloqueio da primeira parte para dar início às obras.

Desde o início de 2019, a autarquia tem levado a cabo várias frentes de trabalho, com vista à criação de postos de emprego, de forma a empoderar as famílias para que possam ter uma fonte de rendimento, assim como, para manutenção dos caminhos vicinais e das estradas.

Está sendo realizada a limpeza de estradas e caminhos de Logarinho a Braga, também na localidade de Santa Bárbara com especial enfoque para a localidade de Vinagre, onde um particular, em concertação com a câmara municipal, está tentando recuperar a água nesta zona, que anteriormente teve um valor enorme para a ilha.

De igual modo, estão sendo realizadas limpezas nas ruas de Nova Sintra, reconstrução das paredes de protecção das estradas de Cruz das Almas a Ponta Achada, que, segundo a mesma fonte, todos os meses custam mais ou menos 400 contos aos cofres da autarquia e a próxima etapa será abrir frentes na freguesia de Nossa Senhora do Monte.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.