Em declarações à Inforpress, a médica Paloma Fernandes explicou que os estabelecimentos comerciais não podem encerrar as portas neste momento porque o público necessita de se abastecer, mas é necessário que os responsáveis e funcionários tenham uma noção de como se prevenir e proteger-se.

Segundo a mesma, percorreram os estabelecimentos, deixando as recomendações necessárias a nível do funcionamento dos estabelecimentos, principalmente sobre o distanciamento entre cliente – balcão, cliente – atendedor, cliente e cliente, e a circulação de pessoas dentro do espaço.

Também, realçou que passaram informações sobre o processo de lavagem das mãos, o uso das luvas e o seu procedimento, quando usar e outros detalhes a nível do uso do cartão vinti4, entre outras.

Salientou que a reacção das pessoas foi “boa”, acrescentando que foram receptivas e que colaboraram com as equipas e até solicitaram alguns esclarecimentos.

Viriato Gomes, proprietário de um estabelecimento comercial e de um bar na localidade de Cachaço, em conversa com à Inforpress, fez uma avaliação “positiva” desta visita, acrescentando que desde que a pandemia começou e foram emitidas as medidas de contingências pelo Governo, as autoridades têm se deslocado a zona para lhe informar sobre da situação..

“Respeito estas informações porque já sei que é algo que afecta todos nós, daí é necessário respeitar”, salientou o comerciante.

Segundo o mesmo, no seu estabelecimento, o movimento é pouco, mas quando estão mais do que oito pessoas dentro do seu estabelecimento, faz uma divisão dos seus clientes, de forma a manter uma “melhor segurança” no seu espaço.

As autoridades mostraram total abertura e pediram aos funcionários e mesmo aos proprietários que em caso de dúvidas utilizem a Linha Verde 8001112.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.