A abertura oficial do Campeonato Mundial de Kite Surf, que vai decorrer durante uma semana, na ilha do Sal, sob a organização de Nautics Sports Events, foi presidida na noite de sábado pelo ministro do Turismo, Carlos Santos.

Neste primeiro circuito do GKA Kite Surf World, que se realiza em Cabo Verde para se disputar o título mundial, marcam presença dez atletas nacionais, sendo oito masculinos e dois femininos, entre eles, Matchu Lopes, Ayrton Cozzolino, Djô Silva, Arsénio Dias, Kelton Lopes, Titik Lopes  e Elviz Nunes, enquanto Dianira Lopes e Irati Fonseca são jovens que vão desafiar as ondas desta competição náutica.

Ao todo são 53 ‘riders’ de diferentes partes do mundo, incluindo Cabo Verde, dos quais 30 do sexo masculino e 23 do sexo feminino, que terão de evidenciar a sua perícia nos estilos onda e ‘free style’.

O conhecido campeão da modalidade Mitú não participa nestas competições por estar lesionado.

Djô Silva, um dos participantes da competição náutica e elemento da organização do evento internacional prevê boas condições climatéricas neste primeiro, e seguintes dias de provas, já que apresentam-se “fantásticas”, particularmente na quarta-feira, dia da final.

“É uma grande honra trazer esse campeonato internacional para Cabo Verde, permitindo mostrar a potencialidade das parais da ilha do Sal, para se disfrutar do kitesurf”, exteriorizou, desejando boa sorte a todos nestas competições, cuja final se prevê na praia de Ponta Preta, se as condições meteorológicas assim o permitirem.

Djô da Silva finaliza, almejando, mais profissionalização de jovens praticantes de kitesurf, para poderem participar nesta competição náutica, realizada pela terceira vez no país, mais concretamente na ilha do Sal.

Reiterando o apoio da Câmara Municipal do Sal, visando o progresso dos desportos náuticos na ilha, o edil Júlio Lopes, presente no evento, também espera que a natureza funcione, haja boas ondas e vento para que este circuito de kitesurf seja um “grande sucesso”.

Por sua vez, na sua intervenção de ocasião, o actual ministro do Turismo, Carlos Santos, sublinhou a determinação do Governo em apoiar o evento, já que o turismo terá que ter uma oferta diversificada.

“O Governo de Cabo Verde tem feito um trabalho nesta matéria, que diz respeito à ligação entre o turismo e o desporto, acreditando que o turismo terá que ter uma oferta diversificada, e o desporto traz cada vez mais pessoas e visitantes para o país”, concretizou.

O titular da pasta do Turismo esclareceu que o Governo decidiu pelo patrocínio do evento, para que Cabo Verde seja colocado no mapa, mas também por ser um desporto que conta com nomes nacionais como Mitú, Matchú e Airton que estão a levar o nome de Cabo Verde além-fronteiras.

“Por isso temos tido essa preocupação de sermos um parceiro no lançamento desta terceira etapa e nas etapas anteriores de kitesurf a nível internacional, mas também continuar a ser esse parceiro, nos próximos anos”, manifestou, acreditando que o Sal pode transformar-se num destino de desporto.

A organização convida as pessoas a marcarem presença em mais estas competições para apoiar os atletas nacionais.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.