Estudante de segundo ano de Engenharia Electrotécnica e Computadores, no Instituto Superior de Engenharia de Lisboa, nesta temporada, a futebolista é melhor marcadora da equipa com cinco golos em 11 jogos.

Em declarações a Inforpress, via Internet, esta jovem tarrafalense, de 20 anos, disse que embora esteja a conciliar o estudo e o futebol, a adaptação foi fácil porque está a fazer o que mais gosta.

“A adaptação foi rápida porque sempre sonhei ser jogadora de futebol e não tive grandes problemas, porque jogo desde os seis anos de idade”, contou Leo Rodrigues, que antes de viajar para Portugal foi campeã de Santiago Sul ao serviço do Sevens Stars.

Como futebolista revelou que tem a ambição de jogar num dos grandes de Portugal, representar a selecção nacional e ir “muito mais além”.

Sobre a convocatória da primeira selecção da modalidade, Leo Rodrigues regozijou-se com este facto, considerando que vai dar uma outra ambição às futebolistas cabo-verdianas.

“Foi um passo muito grande formar a selecção e espero que continue. É também um sonho carregar o símbolo da minha bandeira no peito e, com orgulho, levá-la para onde for”, notou a avançada do Torrense, que diz ter como ponto forte o drible e a velocidade.

Em Cabo Verde, Leo Rodrigues, que tem como referência a futebolista Lúcia Moniz, com quem dividiu o balneário no Sevens Star, começou a jogar com seis anos na Escolas Tó e, com 13 anos, mudou para o ABC.

Nos seniores representou o Delta Cultura de Tarrafal, onde foi bicampeão de Santiago Norte e o Sevens Stars, de Santiago Sul.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.