“Eu acho que poderia ter feito ainda melhor, porque para falar de lição de humildade a gente tem e trabalhar muito pesado, mas o mais importante aqui é que algum jovem ou pessoa tenha apego um pouco daquilo que foi a minha história e incentivar”, afirmou o antigo internacional brasileiro.

Luisão, que se encontra em Cabo Verde para uma visita de três dias, disse sentir-se privilegiado pelo facto de poder partilhar um pouco daquilo que viveu ao longo desses anos com os cabo-verdianos, que, no seu entender, é um “povo sincero” e “agradeceu a Deus” pela oportunidade de estar no arquipélago.

“O meu título hoje é quando chego num lugar para representar o Benfica e vejo que as pessoas me tratam com respeito e da minha parte poder dar também ao mesmo nível que foi o Luisão como atleta, com a exigência do Benfica que exige um comportamento impecável”, sublinhou o ex-jogador.

Actualmente com funções de dirigente no clube de Lisboa (Portugal), avançou que tem sido um momento de “muito aprendizado”, mas sublinhou que a vontade de vencer é a mesma.

Na ocasião reconheceu que os momentos piores são as lesões e as duras derrotas, e os melhores são quando ganha títulos, tendo realçado que hoje em dia quando assiste um jogo do Benfica vibra mais como adepto do que um jogador com vontade de jogar.

A delegação do Benfica, chefiada pelo seu presidente Luís Filipe Vieira, fez-se acompanhar da Taça “Reconquista”, alusiva ao campeão de Portugal 2018/19.

Para esta tarde está prevista a inauguração oficial da Casa do Benfica da Praia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.