O diplomata fez essa afirmação em declarações à Inforpress após um encontro com a direcção do Clube Desportivo Travadores, liderada pelo presidente Abel Menção.

M´bála Fernandes sustentou a sua afirmação exemplificando com os dois jogos de carácter particular entre as selecções femininas da Guiné-Bissau e Cabo Verde realizado recentemente.

Por isso, projetou a realização dessa iniciativa entre equipas “que mexem com o povo”, como uma forma, segundo ele, de reaproximar os dois países não só pela via política, como também pela via do desporto, da cultura e de outros segmentos importantes da sociedade.

Para o diplomata é preciso “revisitar” o passado através de outros instrumentos de socialização e, neste particular, elegeu o desporto por ser “uma bandeira que mexe com o coração do povo”.

“O desporto na Guiné-Bissau é arma da nossa diplomacia e da nossa política externa”, onde foi içada e erguida nenhum político chegou,” concluiu.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.