Dany Touré Santos nasceu na ilha do Maio há 41 anos, cresceu na localidade de Barreiro e o nome Touré, segundo contou em entrevista à Inforpress, foi-lhe atribuído por um dos tios que era um admirador da política e de grandes personalidades africanas.

Considerando ser uma pessoa “activa e amante do futebol”, afirmou que desde muito cedo quis dar o seu contributo para o desenvolvimento da ilha do Maio, através do futebol, mas que infelizmente por um período de tempo, devido a problemas com o consumo exagerado do álcool, desligou-se do seu compromisso.

“Consumia muito álcool, mas chegou um momento da minha vida que uma voz interior, que talvez cansado da vida que eu levava, questionou-me o que realmente queria da vida, se era mesmo esse caminho que queria trilhar, quais eram os meus sonhos, que futuro almejava”, confessou, salientando que antes de se enveredar pelos caminhos do álcool era “uma pessoa activa” e que sempre incentivava os outros a lutarem pelos seus sonhos.

E por estar cansado da vida que levava, conforme contou, decidiu, um certo dia, após muita reflexão, dar um novo rumo à sua vida, que teria que começar com o abandono definitivo do consumo do álcool, que aos poucos estava a destruir a sua vida.

“Vi que com o álcool estava a perder as pessoas que realmente amava, deixei de jogar, perdi o controlo sobre a minha pessoa, vi meus projectos e planos a desmoronarem-se. Já não acreditava em mim e quando somos descrentes relativamente as nossas qualidades mesmo que os outros nos incentivem, não sairemos do lugar porque o primeiro passo começa connosco”, declarou.

Assim, após uma “profunda reflexão”, prosseguiu, conseguiu dizer basta ao consumo do álcool e recomeçar uma nova vida, trazendo a memória as coisas que outrora faziam seu coração vibrar de alegria e o seu mundo mover.

“Tive muitos problemas com o álcool durante muitos anos e então decidi fazer algo por mim e pelos outros dando o meu contributo para o desenvolvimento da ilha que me viu nascer e então resgatei os meus sonhos e reacendi a minha paixão pelo futebol, voltei a jogar e criei em 2011 uma escola de iniciação desportiva na minha localidade, o Barreiro”, disse, avançando que a referida escola ganhou o nome Vitória, simbolizando assim a sua primeira conquista sem álcool.

O objectivo principal da escola “Vitória”, segundo este desportista, era de trabalhar com crianças, por acreditar que o futuro de uma nação depende do seu presente, enfatizando que  queria ensinar-lhes tudo aquilo que aprendeu sobre o futebol e as consequências nefastas do álcool na vida das pessoas.

“Ter as crianças perto de mim e ensinar-lhes aquilo que sabia sobre o futebol era para mim uma enorme alegria e para começar necessitava de uma bola e um espaço. E na verdade o que queria não era inventar um Pelé ou Maradona, mas sim ajudar essas crianças a acreditarem nelas mesmas que poderiam a ser grandes homens”, asseverou.

Dany Touré informou que durante oito anos trabalhou com crianças da sua localidade e que conseguiu criar equipas masculinas de sub-12, sub-15 e sub-17 e que depois conseguiu constituir uma equipa feminina.

Nesses anos a trabalhar como treinador e formador dessas crianças, disse, sentiu vontade de criar um projecto mais ambicioso que envolvesse não só crianças e jovens da sua localidade, mas de todo o município.

Por isso, decidiu entregar os destinos da escola Vitoria à direcção do clube Barreirense para criar uma Academia de Futebol, que permaneceu com nome Vitória e que recentemente ganhou vida e hoje já recebe mais de 80 atletas, da cidade do Porto Inglês e de algumas localidades, não sendo, entretanto, ainda possível a receber crianças de toda as zonas devido a falta de transporte.

“Esse meu novo projecto já é mais abrangente, neste momento como estou a residir na cidade do Porto Inglês e temos um campo relvado e isso facilita. Nesta primeira fase começamos com os alunos do liceu Horace Silver mas o projecto prevê trabalhar com crianças de 6 a 10 anos”, avançou, realçando que essa academia terá várias vertentes do desporto, com destaque para futebol e atletismo e realização visitas de estudo e actividades recreativas.

Para fazer parte da academia, informou, os interessados deverão pagar um valor simbólico pela inscrição, isto como forma de os motivar a continuar sua permanência na referida academia, que conta com a participação de mais formadores  de iniciação desportiva.

Garantiu, por outro lado, que a organização já está a trabalhar na mobilização de financiamento, defendendo, por outro lado, que a ilha carece de mais iniciativa de promoção do desporto e que se em cada localidade nascer uma escola de iniciação desportiva o desporto na ilha do Maio atingirá outro nível.

“Maio é uma ilha com muitas crianças e jovens talentosas e podemos formá-las para alcançar outros níveis e conquistar outros mercados e dói-me muito quando vejo que os treinadores não visitam muito a ilha em busca de talentos, mas acho que, primeiro, temos que criar as condições que os incentiva a vir”, declarou, destacando que o que mais o motiva a continuar é a motivação das crianças e os efeitos positivos nas suas vidas.

Hoje, com 41 anos, Dany Touré é funcionário no liceu Horace Silver e treinador-adjnto da equipa do Figueirense, e garantiu ter uma “vida melhor” porque, conforme destacou, há 12 anos que não tem qualquer contacto com o álcool, construiu sua família e conseguiu superar esse problema.

“Passei por muitas situações tristes e lamentáveis enquanto ser humano, por causa da bebida, já chorei muito por causa  do álcool, para esquecer a dor e a frustração pela vida que levava bebia e não tinha consciência que estava a afundar-me cada vez. Mas graças a deus consegui renascer das cinzas vencendo este mal e hoje sinto-me um homem renovado que a vida quis dar uma segunda chance para recomeçar”, concluiu.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.