Messi, eleito cinco vezes melhor jogador do mundo, não apenas não marcou nenhuma vez nos dois jogos da Argentina como também perdeu um pênalti no jogo contra a Islândia, estreia de sua seleção no mundial de 2018.

E, depois de um empate e uma derrota, a Argentina corre o risco de não passar da fase de grupos pela segunda vez desde 2002 na competição. Mas essa seria a primeira eliminação prematura desde que Messi passou a defender a camisa da seleção.

Aos 30 anos, o craque tem, ao menos em teoria, idade e energia para jogar mais uma Copa. No entanto, muitos especialistas acreditam que o mundial na Rússia é a última grande chance do artilheiro do Barcelona ganhar um título importante para a Argentina – a maior vitória do jogador com a camisa da seleção foi na Olimpíada de Pequim, em 2008. E, na Copa passada, o time deixou escapar a taça na final contra a Alemanha.

Mesmo no Barcelona, time onde começou a jogar aos 13 anos, o atacante não está tendo boa temporada. O time catalão venceu o campeonato espanhol deste ano, mas caiu nas quartas de final da Champions League pela terceira vez seguida.

Enquanto isso, viu o principal rival, o Real Madrid, dominar o futebol europeu por três vezes consecutivas.

A BBC News listou quatro razões que podem explicar porque Messi não tem brilhado nessa temporada.

1) Esgotamento físico

Getty Images: Cansaço excessivo e uma lesão na coxa direita podem estar prejudicando o desempenho de Messi

Na temporada 2017/18 do futebol europeu, Messi jogou 54 partidas. Não entrava tanto em campo desde 2014/15. Essa é uma das médias mais altas do atacante nos últimos cinco anos.

De acordo com as estatísticas do site Transfermarket, o argentino jogou um total de 4.468 minutos e passou uma média de 82,7 minutos em campo em cada partida.

Ainda assim, terminou a temporada marcando 45 gols para o Barcelona.

2) Lesão insistente

Em abril de 2018, o jornal argentino Clarín citou fontes da seleção para afirmar que Messi luta contra uma lesão na coxa direita, que estaria afetando sua capacidade de correr e de mudar de ritmo.

A lesão ficou pública durante os amistosos contra a Itália e Espanha. Com dores musculares, Messi desfalcou o time nos dois jogos.

Na partida contra os espanhóis, Messi assistiu à derrota dos companheiros de time por 6 a 1.

3) Argentina já não é tão boa quanto antes

A Argentina fez uma péssima campanha nas eliminatórias para disputar a Copa de 2018. Só assegurou a vaga na última rodada, graças a uma combinação de resultados.

Messi foi o artilheiro do time na competição, com sete gols. Mas nem assim ele evitou críticas da torcida e dos jornalistas esportivos diante do desempenho medíocre da seleção.

Apesar de ter chegado à final da Copa no Brasil, na qual perdeu por um único gol na prorrogação, a última vez que a Argentina ganhou um mundial foi em 1986.

Nem mesmo o duplo ouro olímpico em 2004 e 2008 amenizou o fato de que, desde a Copa América de 1993, a seleção argentina não ganha um troféu de peso.

4) Cristiano Ronaldo na cabeça

Messi e Ronaldo com uniforme de seus times na Espanha

O desempenho espetacular do homem que há muito tempo é rival de Messi e, há pelo menos uma década, é comparado diretamente com ele também não tem ajudado o argentino.

O português Cristiano Ronaldo, atacante do Real Madrid, é, no momento, o artilheiro da Copa de 2018, com quatro gols em dois jogos. Marcou três deles no empate em 3 a 3 com a Espanha e o quarto, de cabeça, na partida contra o Marrocos.

Ninguém parece ser capaz de interromper a boa fase de CR7.

Há dois anos, ele levou Portugal a vencer a Eurocopa 2016. A final do torneio durou apenas 24 minutos para Cristiano Ronaldo, que saiu de maca chorando por causa de uma contusão no joelho.

Ele voltou ao gramado para a prorrogação, atuando como “auxiliar” do técnico Fernando Santos na vitória dos portugueses contra a França.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.
Os textos do parceiro BBC News estão escritos total ou parcialmente em português do Brasil.