Mário Chaves deu essa garantia à imprensa, quando convidado pelos jornalistas para falar sobre as declarações do primeiro-ministro, após o acto de assinatura do contracto de privatização da Transportadora Aérea Cabo-verdiana (TACV), quanto à possibilidade de realização de voos Praia/Lisboa; Praia/Boston e São Vicente/Lisboa.

“O primeiro-ministro falou da rentabilidade das rotas, são estudos que se tem de fazer e depois disso a avaliação será feita na questão económica e rentabilidade e se houver viabilidade irão se concretizar”, disse.

Questionado se a Cabo Verde Airlines está interessada no mercado inter-ilhas, de forma a fazer interligação dos passageiros entre as ilhas, Mário Chaves avançou que o foco da empresa é o hub, não só externo como interno.

No que tange às rotas planeadas para o ano 2019, além dos já existentes, o presidente executivo da Cabo Verde Airlines informou que estão previstos mais destinos, sendo que um  para os Estados Unidos, dois para Europa e mais dois para África.

Segundo Mário Chaves, dentro de dois messe todo o processo de privatização vai ser concluído,  destacando que “é obvio que a maior parte dos funcionários quer ir para Sal”,  já que o hub é nesta ilha.

Quanto aos aviões previstos para completar os já existentes, informou que vai chegar mais um nos próximos meses e que a empresa perspectiva  quatro aviões até ao final do ano. A intenção, confirmou, é ter mais 12 aviões nos próximos cinco anos.

Loftleidir  Cabo Verde é uma empresa detida em 70% pela Loftleidir Icelandic EHF e em 30% por empresários islandeses com experiência no sector da aviação.

NOTÍCIA RECTIFICADA ÀS 15H00 DO DIA 3 DE MARÇO

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.