António Monteiro fez esta intervenção em conferência de imprensa em que reagia às declarações do primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, quando este avançou que a retoma dos voos internacionais a partir de São Vicente “está fora da alçada administrativa ou política” do Governo.

“A UCID estranha a forma como o primeiro-ministro anunciou ontem a indisponibilidade política para junto da companhia aérea TACV, em realizar os voos para São Vicente. A ilha, após 2017, em que os voos foram suspensos, infelizmente tem estado sofrer de forma muito acentuada, em termos económicos”, observou, declarando que operadores turísticos estão a “perder a dinâmica” que ser quer para o negócio.

Por outro lado, referiu que os operadores turísticos de São Vicente estão “completamente alarmados”, uma vez que a esta altura do ano os  “hotéis e pensões estão sem reserva”, quer para o fim de ano, quer para o Carnaval, “diminuído assim,  a economia da ilha”.

Segundo o responsável, os dados do ano passado mostram que a TACV acumula “um deficit de mais de 14, 7 milhões de contos”, que “será pago por todos os cabo-verdianos”, e questionou a razão de o  Governo estar a injetar “montantes avultados” na companhia, “aumentando ainda mais a dívida pública”.

“Ficamos desorientados com a intervenção do primeiro-ministro, visto que a UCID, desde 2017, tem vindo reiteradamente a exigir a abertura dos voos e com a promessa constante por parte do Governo, de  que iriam retomar a rota”, precisou.

Desta forma, pediu ao ministro dos Transportes, José Gonçalves, e ao primeiro-ministro, para que “rapidamente” deem instruções políticas para que se realizem os voos, “evitando consequências maiores”, nomeadamente manifestações da população na rua.

“Temos experiência, deste mundo fora, de que quando o Governo não atua, o povo intervém, com consequências gravosas para o pais e para a economia”, alertou.

Assim, revelou que espera “maior sensibilidade” por parte do Palácio da Várzea relativamente às ilhas com condições para fazer as ligações aéreas internacionais, permitindo “maior tranquilidade” aos operadores económicos.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.