Limbert Guzmán, de 20 anos, morreu num hospital em Cochabamba, no centro do país, depois de sofrer ferimentos graves nos confrontos entre apoiantes e opositores do Presidente boliviano, Evo Morales, que foi reeleito, segundo os resultados oficiais, nas eleições de 20 de outubro.

Segundo o relatório médico, o jovem foi internado no hospital de Viedma com "traumatismo craniano grave na cabeça e fratura no crânio”.

Os confrontos de quarta-feira provocaram ainda ferimentos em pelo menos 34, numa onda de violência desencadeada na região central de Cochabamba.

O chefe da polícia disse que os feridos ocorreram em confrontos entre grupos de manifestantes nos quais foram utilizados explosivos e arremessadas pedras e paus, sendo que a maioria dos ferimentos são contusões.

A região de Cochabamba registou sérios confrontos entre entre apoiantes e opositores do Presidente boliviano desde o início da manhã até à noite.

Os protestos duram há mais de duas semanas na Bolívia, depois da oposição e movimentos civis terem denunciado fraudes na contagem dos votos a favor do Presidente, que a comissão eleitoral deu como vencedor para cumprir um quarto mandato.

Os comités da oposição não reconhecem a vitória e exigem a renúncia de Evo Morales e a repetição do escrutínio.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.