As buscas pelo jovem desaparecido no mar de João Évora (Jon d´Ébra) estão por agora suspensas pelo segundo dia consecutivo devido ao estado do tempo de forte ventania e ondulação alta, informou a Guarda Costeira.

O estado do tempo, segundo o 1º tenente Emerson Monteiro avançou à Inforpress, não permitiu que a Guarda Costeira pudesse fazer as buscas durante a manhã de hoje, mesmo tendo deslocado a embarcação Ponta Nhô Martinho ao local.

“É complicado fazer buscas nestas condições, em que temos o vento entre 15 a 20 nós e com ondulação de mais de dois metros e ainda está-se com pouca visibilidade”, explicou este responsável, adiantando ser a área de Jon d´Ébra “muito difícil” uma vez que se situa a entrada do canal, onde há “muita agitação marítima”.

Entretanto, conforme a mesma fonte, a Guarda Costeira, entidade responsável pelas operações de busca e salvamento, tem de “prontidão imediata” as embarcações Ponta Nhô Martinho e Badejo, caso haja alguma melhora do tempo.

Hélder Alves, que participava de um passeio convívio no último domingo na praia de Jon D´Ébra juntamente com colegas de trabalho, foi arrastado pelas correntes e desde então está no terreno una operação para se recuperar o corpo.

Durante o dia de segunda-feira as buscas no mar também não foram realizadas devido igualmente as más condições do tempo, mas, segundo o capitão Roseno Rocha adiantou à Inforpress, estiveram militares da Forças Armadas a fazer o mapeamento da praia e das rochas e ainda levaram ao local um tio da vítima que também foi arrastado pela correnteza, mas conseguiu ainda escapar.

Mas, todos estas diligencias, ajuntou, mostraram-se “infrutíferas”.

O corpo do jovem de 33 anos ainda continua desaparecido, assim como o de Odair Pires, de 31 anos, que também foi arrastado pelas correntes nesta mesma praia, em Abril, e nunca mais foi avistado.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.