Catorze famílias foram contempladas, hoje, com parcelas de terra para a prática agrícola no quadro do projeto sobre agricultura moderna integrada da cidade do Porto Novo, Santo Antão, financiado em sete mil contos, através do Programa Oportunidades (POSER).

O projeto, cuja implementação está a cargo da Associação dos Moradores e Amigos da Ribeira Corujinha (AMARC), na cidade do Porto Novo, tem a parceria do Ministério da Agricultura e Ambiente (MAA) e da edilidade porto-novense, que disponibilizou os terrenos.

O projeto, que estará concluído em Dezembro, consiste no equipamento de um furo com sistema fotovoltaico, na construção de um reservatório de 50 toneladas, na preparação de três hectares de terrenos para agricultura e na instalação de rega gota a gota.

As famílias contempladas, todas de fracos recursos, esperam estar, até final deste ano, a produzir para o mercado.

O projeto sobre a agricultura moderna integrada da cidade do Porto Novo, através do qual se prevê ainda a criação de uma cooperativa agrícola, faz parte de um pacote de projetos geradores de rendimentos lançados, em Julho, pelo POSER no valor de 23 mil contos.

O município do Porto Novo recebeu, no quadro desse pacote, projetos que ultrapassam os 17 mil contos, ligados à agricultura e à pecuária.

Além do projeto sobre a agricultura moderna, a cidade do Porto Novo está a ser alvo ainda do projeto sobre a agricultura urbana e periurbana, também já na fase de implementação.

Porto Novo é um dos quatro municípios alvo do projeto sobre agricultura urbana e periurbana, financiado pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), em cerca de 265 mil dólares (aproximadamente 25 mil contos).

No âmbito deste projeto, foi já validado o plano diretor sobre a agricultura urbana e periurbana do Porto Novo e está-se, agora, a definir as zonas de intervenção.

A câmara do Porto Novo, um dos parceiros deste projeto, já definiu uma área de cerca de 30 hectares de terrenos para incremento da atividade agrícola na cintura urbana e periurbana deste município.

Porto Novo dispõe de uma extensa área periférica com disponibilidade de terrenos para agricultura urbana e periurbana, com o objetivo de melhorar o aspeto ambiental desta cidade, mas também contribuir para a segurança alimentar das famílias.

No quadro da implementação do projeto sobre agricultura urbana e periurbana foram já operacionalizados dois furos na cidade do Porto Novo, que permitem mobilizar, diariamente, cerca de 300 metros cúbicos de água.

Os serviços locais do Ministério da Agricultura e Ambiente garantem, por isso, que “há todas as condições” para o projeto ser bem-sucedido no Porto Novo, prevendo-se ainda em 2017 conseguir os primeiros resultados.

O projeto sobre agricultura urbana e periurbana, que, além do Porto Novo, abrange ainda as cidades do Mindelo (São Vicente), Espargos (Sal), e Praia (Santiago) foi lançado a nível nacional, em 2015, com o objetivo de melhorar a dieta das pessoas e garantir a segurança alimentar, mas também proporcionar a geração de rendimentos às famílias de baixa renda.

SAPO c Inforpress