Terminou a XIX edição do festival de Santa Maria com uma incógnita: o próximo festival será ou não na praia de Santa Maria? A chuva é que, mantendo a tradição, interrompeu a festa do município do Sal, durante algumas horas.
O vereador da cultura da Câmara Municipal do Sal afirma que ainda não existe uma decisão sobre o local ou formato que virá a ser adoptado nos próximos festivais. Comenta que será uma decisão conjunta e não uma imposição da câmara.
Apesar da incógnita os salenses permaneceram em massa para iniciarem a manhã ouvindo Steel Pulse, aguardados com muita ansiedade, numa manifestação da força e dimensão que o festival já tem entre os cabo-verdianos e turistas.
O grande momento da noite foi de Cesária Évora, que iniciou o regresso aos palcos no festival e com a inconfundível voz embalou com a morna e arrebatou com a coladeira o público que não parava de a aclamar.
Suzana Lubrano subiu ao palco com a energia que a caracteriza, interpretando, êxitos antigos e apresentando composições novas e, Grace Évora convidou os amigos a cantarem com ele as grandes músicas que tem gravado ao longo da carreira.
A representar a ilha estiveram o Colectivo do Sal no qual desfilaram vozes e ritmos diferentes no palco de Santa Maria.
Mantendo-se ou não na praia onde se tem realizado até agora o certo é que o festival está a ganhar um cariz mais comercial e alarga as competências do município.