Boubou Dramane Camara falava durante a cerimónia de abertura do acto central das celebrações do Dia Mundial da População, que se celebra hoje, 11 de Julho, sob o lema “50 Anos do FNUAP e 25 do CIPD: Acelerando Promessas”, que decorreu na Cidade da Praia.

Disse que Cabo Verde pode orgulhar-se do nível de desenvolvimento alcançado e dos bons resultados obtidos no campo da saúde incluindo a saúde sexual e reprodutiva.

Para o representante do Fundo das Nações Unidas para a População, esses ganhos foram possíveis graças a implementação de políticas públicas que, no seu entender, contribuíram para a melhoria da qualidade de vida das populações, sobretudo das questões de saúde da família.

O UNFPA reiterou a vontade de colaborar com o executivo cabo-verdiano e apelou aos governos a cumprirem os seus compromissos de acesso universal aos serviços de saúde sexual e reprodutiva e direitos reprodutivos, conforme acordado na Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento (CIPD), de 1994, e na Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

Notou que o objectivo do UNFPA é atender a todas as necessidades não atendidas de planeamento familiar voluntário em países em desenvolvimento até 2030, mas lembrou que para alcançar essa meta, é necessário o engajamento dos governos, parlamentares, sector privado e da sociedade civil.

Para Boubou Dramane Camara, o dia de hoje representa um momento e uma oportunidade para aumentar a consciência da sociedade de como as escolhas e oportunidades mudaram a vida de meninas e mulheres desde a CIPD, mas também uma ocasião “chave” para mobilizar os actores políticos e a sociedade civil.

Ressalvou que desde a CIPD, realizada no Cairo em 1994, os ganhos hoje “são notáveis” sendo que em 1994 apenas 15 por cento (%) das mulheres casadas nos países menos desenvolvidos usavam contraceptivos modernos, enquanto que hoje 37% das mulheres usam.

“Há 25 anos, nos países menos desenvolvidos, quase oito em cada 1.000 mulheres morreram durante a gravidez ou o parto, hoje essa taxa foi reduzida para metade e uma mulher de um país menos desenvolvido há 25 anos tinha quase seis filhos e, actualmente, tem menos de quatro”, observou.

Durante o acto central das celebrações do Dia Mundial da População foi apresentado o relatório sobre a situação da população mundial 2019 intitulado “Um trabalho inacabado: a busca por direitos e escolhas para todos e todas”.

Promovido pelo Governo, UNFPA em parceria com Rede de Parlamentares para a População e Desenvolvimento, o Programa Nacional de Saúde Sexual e Reprodutiva do Ministério da Saúde, Rede de Jornalistas para Questões de População (REJOP) e Verdefam, o evento contou com a presença do secretário de Estado Adjunto do Ministro do Estado, Carlos Monteiro, e o presidente da Rede de Parlamentares para a População, José Soares.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.