Este evento, segundo uma nota de imprensa a que a Inforpress teve acesso, é promovido pelo Grupo Intergovernamental de Ação contra o Branqueamento de Dinheiro na África Ocidental (GIABA) e visa sensibilizar as organizações da sociedade civil sobre os perigos e as consequências do branqueamento de capitais e do financiamento do terrorismo.

A nota esclarece que com este seminário se pretende “capacitar os intervenientes” em matéria de luta contra o branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo e conscientizá-los para que possam promover e defender a “implementação eficaz” dos mecanismos desta luta que se quer a nível nacional e regional.

O comunicado de imprensa do GIABA reconhece, por outro lado, que a luta contra o branqueamento de capitais e o financiamento do terrorismo exige o envolvimento de todas as partes intervenientes. Lembra que que desde 2011 o “foco estratégico” deste grupo de ação tem sido a “promoção de parcerias estratégicas com o setor privado, a sociedade civil e outros atores importantes”.

Na perspetiva desta organização, é “crucial sensibilizar” a sociedade civil em relação ao fenómeno de branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo e permitir que os cidadãos tomem “medidas adequadas” em relação a este fenómeno.

“Num ambiente em que os líderes políticos e os formuladores de políticas precisam ser sensibilizados e estar ativos na luta contra o branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo, a sociedade civil é a espinha dorsal da defesa e do advento da mudança”, destaca a mesma fonte.

Esta é a sexta edição deste tipo de encontro de organizações da sociedade civil da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental.

LC/ZS