A Organização Mundial da Saúde (OMS) confirmou terça-feira (13.08) a eficácia de dois tratamentos contra o ébola aplicados em pacientes na República Democrática do Congo (RDC), que vive a segunda maior epidemia já registada da doença, com quase dois mil mortos.

"Foram feitas modificações no tratamento dos pacientes com ébola na RDC e agora receberão um dos dois tratamentos testados recentemente. Trata-se do Regeneron ou mAb114. Um estudo monitorizado por um comité independente descobriu que estes tratamentos superaram outros dois aplicados", disse em conferência de imprensa em Genebra, na Suíça, o porta-voz da OMS, Christian Lindmeier.

O ébola no leste da RDC continua a ser um grande desafio desde que o surto foi declarado uma emergência internacional de saúde em 17 de julho pela OMS. O surto atual é o segundo mais mortal de todos os tempos e já matou mais de 1.800 pessoas na RDC desde o ano passado.

Diagnóstico rápido, prevenção e vigilância

O comité responsável pela análise dos novos tratamentos verificou que a sua eficácia foi ainda melhor no caso dos pacientes tratados precocemente, com apenas três dias de infeção. Por isso, a OMS alerta para a necessidade de um diagnóstico rápido. "A cura total pode não ser possível, mesmo se houver um tratamento 100% eficaz, pois ainda depende do fator humano de alcançar o cuidado médico cedo o suficiente", explica Christian Lindmeier.

A prevenção, a vigilância, a busca pelo tratamento médico dentro das comunidades são muito importantes no combate ao ébola. As pessoas são encorajadas a ficar de olho nos seus familiares e a procurar atendimento imediato se surgirem sintomas prováveis, diz a professora Marylyn Addo, da Universidade de Hamburgo, na Alemanha.

A especialista em ébola também comenta a eficácia dos dois tratamentos: "Estes tratamentos já foram testados em 700 pessoas até agora e demonstraram ser seguros, com efeitos colaterais favoráveis. E finalmente, pela primeira vez, temos um tratamento que combate diretamente o vírus."

As autoridades sanitárias congolesas anunciaram também esta terça-feira (13.08) a cura de duas pessoas infetadas com o vírus do ébola após 11 dias de tratamento em Goma, no leste do país, numa prova da eficácia dos novos medicamentos.

A partir de agora, a OMS e seus parceiros vão conduzir um estudo mais específico com todos os pacientes na RDC que estão a receber um dos dois tratamentos para avaliar qual é o mais eficaz no combate ao ébola.

por:content_author: tms, Eddy Micah Jr., com agências

 

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.