“Trata-se de uma elevada distinção que naturalmente muito me honra, mas que ao mesmo tempo faz repousar sobre os meus ombros uma enorme e elevadíssima responsabilidade”, sublinhou o diplomata, que adiantou que recebeu a notícia com “maior felicidade”.

Durante a sua intervenção, avançou que pretende desenvolver e reforçar as relações de Cabo Verde com Itália, de forma forte e consistente , dando maior ênfase na ampliação e consolidação de parcerias estratégicas para o país, e engajar também nas negociações com a organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

Por outro lado, disse que a sua actuação debruçará sobre três eixos fundamentais, nomeadamente no reforço dos laços de amizade e de cooperação entre os dois países, na promoção de Cabo Verde como país de destino seguro de investimento privado italiano e dar uma atenção muito especial à comunidade cabo-verdiana radicada em Itália.

“Nesta senda, procurarei colocar ao serviço do meu país todo a minha capacidade, competência e todo meu zelo para que Cabo Verde possa tirar o maior proveito possível desta minha nomeação”, realçou o diplomata.

Jorge Figueiredo Gonçalves disse estar ciente de que o peso da cooperação política, económica e cultural, a comunidade cabo-verdiana radicada em Itália e a importância das empresas e empresários italianos no arquipélago, sobretudo no sector do turismo, são factores que demonstram o valor que Cabo Verde atribui nas relações com esse país.

“Convém sublinhar que tem sido assumido por todos aqui em Cabo Verde a necessidade de trabalharmos em conjunto no sentido da internacionalização da nossa economia, da sociedade da cultura e de outros sectores”, precisou o diplomata que assegurou que a Embaixada de Cabo Verde em Itália estará totalmente disponível e motivada para dar a sua contribuição nesse esforço colectivo.

Por seu turno, o ministro dos Negócios Estrangeiros e Comunidades, Luís Filipe Tavares disse que a responsabilidade de Jorge Figueiredo Gonçalves como embaixador é “muito grande”, junto da comunidade cabo-verdiana, do Governo italiano e da FAO, que sempre esteve e está disponível para apoiar o país.

“Não tenho dúvida que o seu desempenho será excelente e em prol do estreitamento das relações de cooperação e de amizade entre Cabo Verde e Itália”, sublinhou o governante.

Na ocasião agradeceu a diplomacia cabo-verdiana e a todos os diplomatas pelo contributo e extraordinário papel que tiveram no processo de desenvolvimento de Cabo Verde, onde garantiu que o Governo está a trabalhar para criar as melhores condições de desenvolvimento na carreira dos diplomatas e dos administrativos, onde serão tomadas um conjunto de decisões muito importantes para valorizar ainda mais a condição de diplomata.

Além de chefiar a missão diplomática cabo-verdiana em Roma, Jorge Gonçalves é ainda representante de Praia junto da República de Malta e da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO).

Jorge Figueiredo Gonçalves, de 62 anos, é diplomata deste 1988, actualmente está no terceiro e último nível da carreira.

Já exerceu, inclusive, várias funções na qualidade de número dois e encarregado de Negócios em Embaixadas de Cabo Verde no exterior, nomeadamente em Paris, Dakar, Bissau e Lisboa.