Segundo Janira Hopffer Almada, deve-se aproveitar as “potencialidades e cada ilha”, assim como a inserção dos cabo-verdianos na “cadeia de produção de valores e da projecção de outros sectores directos na vida das pessoas”.

“O turismo deve ser encarado como um meio para melhorar as condições de vida dos cabo-verdianos”, indicou a líder do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV-oposição).

A deputada eleita nas listas do PAICV fez essas considerações durante o debate mensal com o primeiro-ministro, cujo tema é o turismo e seus impactos no desenvolvimento do país.

Para a líder da oposição, as políticas públicas no sector turístico devem ser orientadas no sentido de se “maximizar o impacto do turismo no bem-estar dos cabo-verdianos”, numa perspectiva “sustentável e inclusiva”.

Referindo-se à governação do PAICV, a líder deste partido lembrou que foi preciso “acreditar e definir uma estratégia” no sector do turismo, avançando com a infra-estruturação do país.

“E foi assim que foi construída uma rede de portos e aeroportos, mesmo quando outros questionavam esta opção, pondo em causa, por exemplo, a construção dos aeroportos internacionais da Boa Vista e de São Vicente ou apoucando a construção do aeroporto internacional da Praia”, precisou Janira Hopffer Almada.

Elencou, por outro lado, outras realizações feitas pelo anterior executivo, nomeadamente no domínio da produção da água e da energia e “qualificação” dos recursos humanos em ordem a ter Cabo Verde como destino turístico.

Lembrou que em 2000, altura em que o PAICV voltou ao poder, o país dispunha de 88 estabelecimentos hoteleiros passando, em 2016, para 233 unidades.

“Passámos de 145.076 entradas em 2000, para 650.000, em 2016”, apontou a deputada da oposição, acrescentando que o país passou de 2.391 quartos para 11 mil.

“Foram lançadas bases sólidas que demonstram, na prática, com números, de que o caminho escolhido era o adequado”, lançou a parlamentar, lembrando que a meta do Governo do PAICV era no sentido de, até 2021, o país atingir um milhão e 200 mil turistas.

Para Janira Hopffer Almada, depois de três anos, o Governo prefere “esconder-se na propaganda” e não começa a trabalhar para resolver os “constrangimentos nos acessos”.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.