Vladimir Silves Ferreira fez estas declarações à Inforpress, à margem de uma visita que os eleitos municipais do Partido Africano para a Independência de Cabo Verde (PAICV-oposição) efetuaram hoje às instalações da Federação Cabo-Verdiana de Associações de Pessoas com Deficiência (FECAD), na Cidade da Praia.

A visita às instalações da FECAD, segundo o líder da bancada municipal do PAICV, representa uma oportunidade de ouvir as preocupações da referida associação e levá-las a direção do seu partido.

Na ocasião, reconheceu que ao nível do município da Praia pode-se constatar que a cidade capital já melhorou bastante quer ao nível da acessibilidade quer do tratamento dado às pessoas com deficiência, entretanto sublinhou que falta ainda muito para ser feito.

Considerou as instalações da FECAD como sendo uma prova do percurso e da evolução que a federação e as associações têm feito e que têm tido com os poderes nacionais e municipais.

“Nós, através dessa visita, queremos chamar a atenção da Câmara Municipal da Praia no sentido de fazer uma maior fiscalização, sobretudo , dos edifícios públicos, porque há muitos edifícios que se constroem, cuja inexistência da acessibilidade é total e existem muitos edifícios com acesso técnico mal concebido”, disse, salientando que essa realidade se transforma no desconforto e numa limitação para as pessoas com deficiência que acedem esses espaços públicos.

Vladimir Silves Ferreira criticou, por outro lado, as exigências que têm sido feitas às pessoas com deficiências com direito ao ensino gratuito, isto porque, conforme explicou, existe um conjunto de burocracias que a mesma tem que cumprir.

“A implementação dessa lei tem sido um pouco complicada. Por exemplo, exige-se que um estudante não tenha reprovado no ano passado, um conjunto de burocracias que tem que cumprir, isto sem se saber porque é que um individuo teve algum insucesso em alguma disciplina no ano anterior não pode ser condição para candidatar-se para um projeto que está a começar agora”, lançou, sugerindo que essa gratuitidade tem que ser implementada de forma ampla.

Para além da garantia do acesso ao ensino gratuito, o deputado do PAICV defendeu do mesmo modo a implementação do acesso gratuito a saúde e a habitação às pessoas com deficiência, tendo considerado essas vertentes como três grandes áreas que se deve trabalhar, no sentido da sua convergência.

Garantiu, por outro lado, que os eleitos municipais do PAICV tudo farão para que no próximo ciclo eleitoral a questão da inclusão social esteja na ordem do dia e em debate e que o PAICV esteja na linha da frente em termos de propostas ousadas e inovadoras a nível da inclusão social.