Esta iniciativa, explicou, visa solicitar junto da Assembleia Nacional a alteração da Lei n.º 85/VI/2005 de Dezembro de 2006, uma norma que define e estabelece os crimes de responsabilidade dos titulares de cargos políticos.

Segundo o vice-presidente do PP, Felisberto Semedo, em declarações à Inforpress, o processo está a “decorrer normalmente” com a presença do partido em praticamente todos os bairros da capital.

“As pessoas estão engajadas assinando o documento, apesar de, em alguns locais, haver alguma dificuldade porque muitas pessoas não trazem consigo um documento de identificação”, disse.

A mesma fonte indicou que o combate contra a corrupção é “um dever de todos os cidadãos”, por isso devem trabalhar em conjunto para assegurar esse preceito.

Referiu ainda que durante todo o processo de recolha de assinatura nos bairros, deparam-se com “inúmeras situações de dificuldades” para as pessoas, mas, ajuntou, o que se vê é o “desperdiçar do dinheiro público, por parte dos políticos”.

O Partido Popular necessita de três mil assinaturas, em 11 concelhos do país, para dar entrada do processo na Assembleia Nacional, sendo que cada município deverá ter 100 assinaturas cada.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.